Para MP, razões para transferência de Cabral são robustas, diz procurador da República

  • Por Jovem Pan
  • 19/01/2018 08h21
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência BrasilO procurador afirmou ainda que há a possibilidade de a defesa de Sérgio Cabral impetrar um habeas corpus, mas que, "para o Ministério Público, as razões para o fundamento da transferência são robustas"

Cercado de privilégios enquanto estava preso na cadeia pública José Frederico Marques, em Benfica, na zona norte do Rio de Janeiro, o ex-governador Sérgio Cabral (MDB) foi transferido para o Complexo Médico-Penal, em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, nesta quinta-feira (18).

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, o procurador da República e integrante da força-tarefa da operação Lava Jato no Rio de Janeiro, Sérgio Pinel, ressaltou que a presença de Cabral “desestruturou o próprio sistema penitenciário do Estado” e a que a sua prisão preventiva não o estava afastando da organização criminosa.

O procurador afirmou ainda que há a possibilidade de a defesa de Sérgio Cabral impetrar um habeas corpus, mas que, “para o Ministério Público, as razões para o fundamento da transferência são robustas”. “Se impetrado um habeas corpus, o TRF2 e o TRF4 irão apreciar e vamos ver”, disse.

Segundo Pinel, o local de cumprimento da pena em caso de prisões preventivas é uma medida administrativa. “Com afastamento pretendemos que essa liderança que ele permaneceu exercendo acabe sendo afastada”, disse o procurador.

“No caso do Rio de Janeiro, em razão da propositura de improbidade administrativa foi afastada toda a cúpula da Secretaria de Administração Penitenciária. O Ministério Público do Estado ajuizou ação de improbidade em face do atual secretário de Administração Penitenciária, dos diretores de Bangu e Benfica e da cúpula da SAP, pretendendo punição cível”, explicou.

Confira a entrevista completa com o procurador da República e integrante da força-tarefa da operação Lava Jato no Rio de Janeiro, Sérgio Pinel: