Paraisópolis reforça laços de solidariedade para combater novo coronavírus

  • Por Jovem Pan
  • 27/04/2020 06h45 - Atualizado em 27/04/2020 08h12
HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO CONTEÚDOA favela tem neste momento ao menos nove suspeitas de morte por covid-19

A favela de Paraisópolis, em São Paulo, com uma população de mais de 100 mil habitantes, está lutando contra a covid-19. Os moradores costuram máscaras, caminhões desinfetam as vias, e “presidentes de rua” identificam famílias com problemas.

Graças ao dinheiro arrecadado de forma online e às doações, eles também conseguiram contratar profissionais de saúde e ambulâncias. Com suas ruas estreitas, Paraisópolis fica ao lado do Morumbi, um dos bairros mais ricos da capital paulista.

O líder comunitário Gilson Rodrigues afirma que é muito difícil fazer com que as pessoas fiquem em casa. Nas ruas, é fácil verificar a afirmação de Gilson.

Quase ninguém usa máscaras, o trânsito é constante, e muitas lojas, mesmo as não essenciais, estão abertas, descumprindo a quarentena determinada pelo governo do estado.

Viviane de Lima mora com o marido, a sogra e seis filhas em um apartamento de dois quartos. Ficar em casa e manter distância social nessas condições é um desafio.

Ela diz que o marido, que é mecânico, até quer obedecer as recomendações, mas tem que trabalhar.

Ajuda

Enquanto uma linha de produção faz milhares de máscaras, outra cozinha mais de 2 mil almoços por dia em um armazém onde operava um centro de atividades para idosos.

Ao lado, três ambulâncias aguardam para atender chamadas da comunidade. O enfermeiro Anderson Matos foi contratado para atender as pessoas que necessitarem de auxílio.

A favela tem neste momento ao menos nove suspeitas de morte por covid-19. O líder comunitário Gilson Rodrigues diz que Paraisópolis, a 20 minutos de carro da UTI mais próxima, está se preparando “para o pior cenário”.

Essa é a realidade de várias favelas brasileiras que, na ausência do Estado, procuram combater o novo coronavírus com iniciativas próprias.

*Com informações do repórter Afonso Marangoni