Parlamentares de Roraima divergem sobre fechamento de fronteira com a Venezuela

  • Por Jovem Pan
  • 30/04/2018 06h01
Rodrigo Sales/Estadão ConteúdoA estimativa é de que, pelo menos, 50 mil imigrantes do país vizinho estejam morando na região

A imigração em massa de venezuelanos para Roraima vem afetando diretamente a vida de quem mora no Estado. A estimativa é de que, pelo menos, 50 mil imigrantes do país vizinho estejam morando na região.

O cenário fez a população do Estado crescer 10% nos últimos três anos. Além disso, o número de venezuelanos nas escolas roraimenses quintuplicou.

A situação fez os deputados federais de Roraima criarem uma comissão externa para tratar do tema. O deputado Carlos Andrade (PHS) apontou dificuldades para suprir a nova demanda: “o que está acontecendo é a proliferação de doença, serviços básicos de saúde, educação e segurança estão sobrecarregados”.

A situação fez a governadora Suely Campos (Progressistas) pedir o fechamento da fronteira com a Venezuela.

O Governo Federal ainda não se manifestou oficialmente, mas o presidente Michel Temer já se colocou contra a ideia. Mas para o senador Telmário Mota (PTB), é a melhor solução no momento: “hoje está em total insegurança, já ficou essa onda de criminalidade. Então tem que fechar a fronteira para migração”.

O assunto gera divergências entre os parlamentares de Roraima. O deputado Jhonatan de Jesus (PRB) disse que a medida iria contra tratados internacionais. Para ele, o ideal seria impor regras para a chegada dos imigrantes: “temos normas que podem ser colocadas a ponto de minimizar, quer entrar, entra, mas tem que imunizar”.

O Governo Federal editou uma Medida Provisória destinando R$ 190 milhões para acolher os venezuelanos no Estado. Mas ainda não foi definido como esse dinheiro será aplicado.

*Informações do repórter Levy Guimarães