Parlamento de Israel aprova a própria dissolução e convoca eleições

  • Por Jovem Pan
  • 30/05/2019 08h16 - Atualizado em 30/05/2019 08h16
EFE

O parlamento de Israel aprovou e a própria dissolução e convocou novas eleições para setembro.

A decisão foi tomada depois que o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu perdeu apoio e não conseguiu formar uma coalizão para governar o país.

As eleições israelenses foram realizadas no início de abril, nas quais os partido Likud, de Netanyahu, e aliados conseguiram a maior parte das cadeiras.

Netanyahu foi escolhido pelo presidente Reuven Rivlin e tinha até a Meia noite desta quarta-feira para formar uma coalizão.

Nas semanas seguintes à eleição, Bibi perdeu apoio e não formou a maioria no parlamento e, portanto, falhou ao apresentar uma formação governista liderada pelo Likud.

O agora ex-primeiro-ministro esteve a frente de Israel por 10 anos e caminhava para o Quarto mandato consecutivo.

A decisão desta quarta-feira de dissolver o parlamento e convocar novas eleições foi aprovada por Netanyahu.

De acordo com especialistas, a perda de apoio tem origem em disputas entre judeus ortodoxos e partidos de direita.

Este último queria aprovar uma lei que obrigava jovens judeus ortodoxos a participar do serviço militar obrigatório em Israel.

Com a briga, os deputados do partido de direita deixaram a coalizão a poucos dias do fim do prazo de Netanyahu.

Likud até tentou pressionar os dissidentes, mas as tentativas foram em vão e o partido decidiu apoiar as novas eleições.

Além disso, Benjamin Netanyahu enfrenta acusações de corrupção, às quais ele deve responder nos próximos meses.

*As informações são da repórter Nanny Cox