Partido socialista é favorito para vencer as eleições em Portugal

  • Por Jovem Pan
  • 04/10/2019 09h31
EFEO primeiro-ministro António Costa, no entanto, garante que independente do resultado, pretende continuar negociando com os outros partidos de esquerda

Os portugueses vão às urnas neste domingo em uma condição que parecia impensável na última vez que o país teve suas legislativas. 

Instabilidade política, plano rigoroso de austeridade e socorros financeiros da União Europeia e do FMI parecem ter ficado para trás. 

Quatro anos atrás, o país iniciava uma aliança política tão improvável para formação de um governo que os locais a batizaram de geringonça. 

Mas acabou que deu certo em determinada medida. E o partido socialista aparece hoje como franco favorito para vencer as eleições deste domingo. 

Ainda assim, o PS não deve conseguir as 116 cadeiras para governar sozinho na Assembleia da República. 

O primeiro-ministro António Costa, no entanto, garante que independente do resultado, pretende continuar negociando com os outros partidos de esquerda, incluindo a extrema, que participaram da atual gestão. 

Dos integrantes da geringonça, somente os comunistas já deixaram claro que pretendem voltar para a oposição.

O acordo improvável de 2015 acabou trazendo a estabilidade política necessária para que Portugal voltasse a se destacar na Europa. 

O país conseguiu deixar as duras regras de austeridade para trás, aumentou o salário mínimo para 600 euros e se transformou em um dos principais pólos de desenvolvimento tecnológico do continente.