Paulo Guedes quer apresentar proposta de reforma da Previdência no dia 20

  • Por Jovem Pan
  • 07/02/2019 07h36
EFEA data dada por Guedes, entretanto, vai depender do sinal verde de Jair Bolsonaro

O ministro da Economia, Paulo Guedes, pretende apresentar no próximo dia 20 a proposta de reforma da Previdência. O vice-presidente Hamilton Mourão sinalizou que a ideia é pedir aos governadores apoio das bancadas estaduais para garantir a aprovação da matéria.

A data dada por Guedes, entretanto, vai depender do sinal verde de Jair Bolsonaro. O porta-voz da Presidência, Rego Barros, disse que ainda não há previsão de alta do presidente e que este só irá se debruçar sobre a matéria quando sair do hospital.

Só após as condições totais de análise de Bolsonaro é que o projeto final será liberado para ir ao Congresso.

O Governo sabe que, seja qual for o texto encaminhado, ele será alterado por deputados e senadores. A dúvida é saber se Guedes vai ou não conseguir convencer Bolsonaro a propor reforma mais rigorosa.

A estratégia de  ter dois temas fortes tramitando de forma conjunta no Congresso também tem sido questionada em Brasília.

O ministro da Justiça, Sergio Moro, ao anunciar essa semana o pacote de combate ao crime, avaliou que o Congresso tem condição de analisar  mais de um assunto ao mesmo tempo, mesmo que sejam temas  complexos e importantes. No Supremo Tribunal Federal, a avaliação entre os ministros  é de que são grandes as chances das medidas propostas pelo ministro da Justiça serem questionadas no Tribunal.

O ministro do Supremo, Roberto Barroso, avaliou que o pacote de medidas vem em boa hora e é de uma forma geral positivo. Ele evitou fazer maiores comentários, exatamente porque acredita que haverá questionamentos com relação à constitucionalidade das propostas.

O ministro Celso de Mello também evitou se posicionar diretamente sobre a questão. Disse que ainda é cedo para falar em questionamentos e que tudo vai depender da discussão que se dará no Congresso.  Para tentar facilitar a aprovação da matéria, o ministro Sergio Moro já alterou alguns pontos da proposta original apresentada  no início da semana atendendo a sugestões dos governadores e da Casa Civil. A expectativa é de que no Congresso também sejam feitos ajustes.

*Informações da repórter Luciana Verdolin