Peemedebistas criticam falta de apoio do PSDB a Temer e dizem que “fica difícil apoio a Alckmin”

  • Por Jovem Pan
  • 26/10/2017 06h42 - Atualizado em 26/10/2017 11h20
Ciete Silvério/A2IMGCarlos Marun destacou que Alckmin não deve contar com o apoio dos peemedebistas no ano que vem

As votações das duas denúncias contra o presidente Michel Temer na Câmara podem ter reflexos nas eleições presidenciais de 2018.

No fim da votação desta quarta-feira (25), um dos porta-vozes do Governo no Congresso, o deputado Carlos Marun (PMDB), foi direto: para ele, a chance de o partido apoiar uma eventual candidatura do governador Geraldo Alckmin ao Palácio do Planalto é quase zero.

Marun revelou que há um grande desconforto dentro do PMDB com os votos dos deputados do PSDB de São Paulo: dos 12 tucanos paulistas, apenas a deputada Bruna Furlan votou pela rejeição da denúncia. Mara Gabrilli não compareceu e 10 parlamentares votaram contra o Governo.

Na denúncia anterior, o resultado foi 11 a um pelo prosseguimento das investigações.

Carlos Marun destacou que Alckmin não deve contar com o apoio dos peemedebistas no ano que vem: “o que fica difícil é qualquer apoio do PMDB ao governador Alckmin depois do que aconteceu. A partir do momento que em São Paulo quase a unanimidade dos deputados vota por essa ofensa ao presidente, o governador deve entender que não deve querer contar com o PMDB nas próximas eleições”.

Outro líder governista na Câmara, o também peemedebista Darcísio Perondi foi menos enfático. Ele elogiou o governador Geraldo Alckmin, mas não poupou de críticas: “o governador Alckmin poderia ter sido leal por tudo que o presidente Michel fez por ele em outras épocas e ele poderia ter ajudado”.

Nos últimos meses, o PMDB, assim como o presidente Michel Temer, se aproximou do prefeito João Doria, outro possível candidato tucano à Presidência da República.

Doria vem se manifestando publicamente a favor da continuidade do atual Governo.

*Informações do repórter Levy Guimarães