Pequenas empresas têm crescimento recorde em plena pandemia, diz Sebrae

Em 2020 foram registrados quase dois milhões de microempreendedores individuais

  • Por Jovem Pan
  • 28/01/2021 08h59
Stevepb/PixabayNascimento da maioria das MEIs se deve ao uso das redes sociais e da internet desde o inicio da pandemia

Elizabete Botsaris é de origem grega e, desde os 12 anos, aprendeu a fazer doces tradicionais da Grécia. Só que no meio do caminho, foi arquiteta e designer de interiores e atuou na área comercial em lojas de decoração. A ideia de fazer doces gregos era pra ser seu segundo negocio, mas no ano passado virou seu primeiro. Em setembro aconteceu a formalização da MEI. Criativa e sem medo de empreender, Elizabete conta que, no mês de dezembro, chegou a vender 2,5 mil doces — sendo R$ 6 os menores. “Quando eu tive essa necessidade, não sabia o que fazer de um dia para o outro a empresa surgiu. Ela sempre existiu na minha essência, sempre estive com meus doces e fazia com carinho para meus amigos. Nunca imaginei que faria para vender.”

No ano passado, no Brasil, houve um crescimento recorde de quase dois milhões de microempreendedores individuais. Isso se deve as demissões em massa e ao atual momento da economia brasileira. O diretor-superintendente do Sebrae-SP, Wilson Poit cita outros exemplos de MEIs que cresceram na pandemia. “Como exemplos de alguns segmentos que tem crescido muito como MEI são refeições, doces por encomenda, artesanato, cursos online, segmento de brincadeiras e jogos domésticos para crianças.”

O nascimento da maioria das MEIs se deve ao uso das redes sociais e da internet desde o inicio da pandemia. Presidente da Jeunesse no Brasil e CEO de duas consultorias em gestão empresarial, Lasaro do Carmo lançou o livro O que importa é seu resultado para orientar os novos empreendedores. “Quem vai ficar são os melhores. Eu senti o mercado no mínimo estranho, nos meus negócios eu não sofri financeiramente. E também surgiram novas oportunidades principalmente no e-commerce.” Com aproximadamente 25% da população adulta envolvida na abertura de um novo negócio ou com uma empresa com até 3,5 anos de atividade, o Brasil conta com cerca de 7,5 milhões de micro e pequenas empresas formalizadas.

*Com informações do repórter Victor Moraes