Pesquisadores se animam com possibilidade de existir água líquida em Marte

  • Por Jovem Pan
  • 26/07/2018 07h31
EFEÁgua líquida encontrada em Marte pode conter altos índices de cálcio, magnésio e sódio

Cientistas italianos revelaram indícios da presença de água líquida em Marte. A descoberta foi anunciada na quarta-feira em um artigo publicado na revista Science. As Agências Espaciais Europeia e Italiana apontaram que existe um “reservatório” de água no estado líquido repousando sob camadas de gelo e poeira na região polar sul de Marte.

Já se sabia da existência de gelo no planeta vermelho, mas não de água. Os dados analisados no estudo foram coletados entre maio de 2012 e dezembro de 2015 e vieram da Mars Express, uma sonda espacial lançada em 2003 pelas agências.

A novidade levanta a possibilidade de que se encontre vida no planeta. No entanto, o biotecnólogo especialista em NASA e professor titular da University of Florida, Wagner Vendrame, alerta que ainda é cedo para determinar se Marte é um lugar habitável. ”

“É um pouco para dizermos isso. A água encontrada é altamente frígida e com alto conteúdo de sais, incluindo cálcio, magnésio e sódio, que não seriam propícios para a existência de vida. Apesar que podem existir organismos multicelulares que vivem sob essas condições”, explicou.

Detectado em órbita usando um radar de penetração de gelo, o lago é provavelmente frio e salgado, um habitat improvável para a vida. Mas, de acordo com a revista Science, a descoberta vai intensificar a busca por outras camadas de água subterrâneas que possam ser mais hospitaleiras.

O professor Wagner Vendrame esclarece que existem alguns organismos que foram encontrados em situações extremas e parecidas aqui mesmo na Terra. Esse lago de Marte é muito parecido com outro encontrado na Antártica, o Vostok.

Ele é estudado há anos por cientistas que tentam entender se é possível a proliferação de vida no local. As próximas missões até o Planeta Vermelho deverão fazer perfurações no local para esclarecer o que é esse líquido e se nele é possível a proliferação de organismos vivos.

*Com informações da repórter Marcella Lourenzetto