Petistas respiram com julgamento do habeas corpus de Lula; oposicionistas pedem prisão

  • Por Jovem Pan
  • 23/03/2018 07h49
EFE/Fernando Bizerra Jr.Adversários destacam que, mesmo se Lula não for preso, ele já está inelegível

O julgamento do habeas corpus preventivo do ex-presidente Lula foi o assunto desta quinta-feira no Congresso.

Em um dia pouco movimentado e sem votações de grande impacto, deputados e senadores não deixaram de opinar sobre o tema. Para os petistas, a sensação após o julgamento foi de alívio e sobrevida.

O deputado Wadih Damous, do PT, acompanhou pessoalmente a sessão do Supremo Tribunal Federal. Na visão dele, conceder uma liminar que impede Lula de ser preso até o dia 4 de abril, quando o julgamento será retomado, foi uma decisão acertada.

“Foi uma decisão correta, estritamente técnica e é comum nos tribunais que isso aconteça. Afinal de contas, não foi a parte que deu causa à suspensão do julgamento. Isso não significa a antecipação do julgamento de mérito”, disse o petista.

Ainda antes de o julgamento começar, no plenário do Senado a senadora Ana Amélia, do PP, se posicionou a favor da prisão de Lula. Para ela, uma decisão contrária seria um selo de morte na Lava Jato.

“Se o Supremo voltar atrás será um retrocesso e praticamente um selo de morte nessa Operação Lava Jato, que tantas esperanças trouxe ao Brasil, porque colocou na cadeia pessoas muito poderosas”, disse.

Já o líder do DEM na Câmara, deputado Rodrigo Garcia, comentou os efeitos de uma eventual prisão de Lula. Ele acredita que isso pouco mudaria o cenário eleitoral, já que o petista seria barrado pela Lei da Ficha Limpa.

“Muito se fala sobre o presidente Lula disputar ou não a eleição. O que está sendo discutido hoje não tem nada a ver com isso. O ex-presidente Lula é ficha suja, ele já foi condenado em 2ª instância. Independentemente de ser preso ou não, ele não pode concorrer nas eleições de 2018”, ponderou.

A semana que vem também deve ser de pouca atividade parlamentar, devido ao feriado da Semana Santa.

Na terça-feira, os deputados vão tentar votar o projeto de reoneração das folhas de pagamento.

Informações do repórter Jovem Pan de Brasília, Levy Guimarães