“Petrobras conseguiu se safar de exposição ao ridículo”, diz advogado de acionistas nos EUA

  • Por Jovem Pan
  • 04/01/2018 10h15
Arquivo/PetrobrasSegundo Almeida, para a Petrobras era uma questão de a Petrobras ser exposta ao ridículo ou fazer o acordo, “que acho que foi muito melhor para a empresa”

O acordo de quase US$ 3 bilhões fechado entre a Petrobras e acionistas minoritários da empresa nos Estados Unidos animou investidores e evitou que a estatal fosse “exposta ao ridículo” no exterior.

A afirmação é do advogado responsável pelo acordo fechado nos EUA, André de Almeida, em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã. “Esse resultado é o fechamento de um capítulo triste da história da Petrobras e foi um excelente negócio para a empresa, que conseguiu se safar de uma exposição ao ridículo que seria a condenação ou o júri popular nos Estados Unidos”, disse.

Segundo Almeida, para a Petrobras era uma questão de a Petrobras ser exposta ao ridículo ou fazer o acordo, “que acho que foi muito melhor para a empresa”.

O advogado lembrou ainda que a estatal não foi considerada vítima, tanto é que pagou uma quantia bilionária aos acionistas minoritários. “Argumento de que ela é vítima é conveniente, mas inadequado do ponto de vista jurídico. Ou seja, a Petrobras tem obrigação moral e ética de indenizar acionistas tanto nos Estados Unidos quanto no Brasil”, explicou.

O caso

O acordo firmado pela Petrobras para reparar as perdas sofridas por investidores estrangeiros foi o quinto maior já celebrado em ações coletivas nos Estados Unidos.

A estatal vai pagar quase US$ 3 bilhões – o equivalente a R$ 9,6 bilhões – para se livrar dos processos movidos por acionistas que compraram papeis da empresa e tiveram prejuízos.

O valor impressiona, já que corresponde a praticamente todo o valor que será recuperado na Operação Lava Jato.

A estimativa do Ministério Público Federal é devolver R$ 10,8 bilhões à petroleira.

Confira a entrevista completa com o advogado André de Almeida: