PF e Receita investigam uso de empresas para lavagem de dinheiro

  • Por Jovem Pan
  • 04/03/2020 06h04 - Atualizado em 04/03/2020 08h02
Arquivo/Agência BrasilAs autoridades procuram provas da participação de ao menos 35 pessoas e 30 empresas em esquema de sonegação fiscal

A Operação Último Lance cumpriu 16 mandados de busca e apreensão em São Paulo, Pindamonhangaba, Bauru e Franca nesta terça-feira (03). A ação da Polícia Federal e a Receita investiga o uso de empresas de leilões para ocultar o crime de lavagem de dinheiro.

Segundo o auditor fiscal da Receita Federal, Maurício Ferrari Cei, essas companhias vêm de um mesmo núcleo familiar, que atua com uma rede de seis “laranjas”. As autoridades procuram provas da participação de ao menos 35 pessoas e 30 empresas em esquema de sonegação fiscal.

“Grande parte destas empresas foram abertas com os efetivos investigados e, ao passar do tempo foram alaranjando, colocando pessoas que não tinham capacidade para depois o fisco, a polícia e a execução fiscal ir atrás deles.”

De acordo com o delegado da Polícia Federal em Bauru, Gustavo Martins, a investigação começou a partir de Relatórios de Inteligência Financeira (RIF) elaborados pelo Coaf. “Esses relatórios deram norte para a investigação. Entre eles, um único RIF identificou um montante total de, aproximadamente, 630 milhões de reais”, declara Martins.

O delegado afirmou ainda que os documentos apontam movimentações atípicas nessas empresas nos últimos 10 anos.

Os investigados poderão ser processados pelos crimes de evasão de divisas, sonegação fiscal, falsidade ideológica, uso de documento falso e ocultação indevida de valores.

*Com informações da repórter Beatriz Manfredini.