CPI ouve depoimento de servidora alvo de polêmica de Crivella envolvendo religiosos

  • Por Jovem Pan
  • 20/03/2019 06h21
ReproduçãoMárcia Nunes negou que tivesse poder de favorecer as pessoas e argumentou que sequer tinha acesso ao sistema e se mostrou incomodada com a repercussão negativa do caso

Em uma CPI na Câmara Municipal, criada para investigar supostas irregularidades na fila de atendimento de hospitais públicos da capital fluminense, a servidora “Dona Márcia” apareceu.

Ela ficou “famosa” após encontro a portas fechadas promovido pelo prefeito da cidade, Marcelo Crivella. Na ocasião, ele reuniu fiéis no Palácio da Cidade e disse que se alguém tivesse dificuldades em marcar exames ou cirurgias era só procurar a “dona Márcia”.

Em depoimento nesta terça-feira (19) na CPI do sistema de atendimento dos hospitais públicos do RJ, Márcia Nunes negou que tivesse poder de favorecer as pessoas e argumentou que sequer tinha acesso ao sistema e se mostrou incomodada com a repercussão negativa do caso.

A servidora trabalhou para o prefeito Crivella em campanhas e agora é funcionária da Companhia de Limpeza Urbana do RJ (Comlurb). Ela esteve presente no encontro a portas fechadas, mas afirmou que de vez em quando aparecia em agendas de Crivella por ter horários flexíveis na Comlurb.

*Informações do repórter Rodrigo Viga