Planalto anuncia interiorização de cerca de mil venezuelanos que estão em RR até o final de setembro

  • Por Jovem Pan
  • 23/08/2018 06h38
Agência BrasilAlegando dificuldades inclusive financeiras, o governo de Roraima protocolou no Planalto um documento em que pede ajuda pra gerenciar a crise migratória no Estado

Diante do temor de novos casos de violência em Roraima e da reclamação constante do governo local, o Palácio do Planalto anunciou que, até o final de setembro, mais de mil venezuelanos que estão no Estado serão direcionados para o interior do país, 250 já na semana que vem.

Alegando dificuldades inclusive financeiras, o governo de Roraima protocolou no Planalto um documento em que pede ajuda pra gerenciar a crise migratória no Estado.

Ao todo são nove pedidos entre eles o ressarcimento imediato de R$ 184 milhões que teriam sido gastos com saúde, educação e segurança dos imigrantes, a instalação de um hospital de campanha em Boa Vista, ambulâncias para o Corpo de Bombeiros e viaturas para a Polícia Militar e para a Polícia Civil e ainda mais 120 homens da Força Nacional para atuar em Pacaraima, na divisa de Roraima com o Amazonas.

O governo local reclama que até agora só chegaram 60 policiais dos 120 prometidos.

A governadora Suely Campos pediu também que os venezuelanos tenham que apresentar passaporte para entrar no país, como forma de dificultar o acesso.

O chefe do Gabinete de Segurança Institucional da presidência, Sérgio Etchegoyen, voltou a descartar a possibilidade de fechamento ou restrição da entrada de imigrantes. Ele lembrou que o Brasil tem acordo com a Venezuela, que prevê que qualquer mudança só valeria depois de 60 dias.

Com relação a recursos, o ministro afirma que agora não há como fazer qualquer outro repasse: “o Governo destinou R$ 187 milhões só na área de saúde para governo e municípios de Roraima. Neste valor, ainda existe saldo de quase R$ 70 milhões”.

Perguntado se o processo eleitoral estaria de alguma forma interferindo de forma negativa nas negociações com Roraima, o ministro desconversou: “temos na frente dois problemas a resolver, a monumental crise humanitária e necessidade prioritária de garantir o bem-estar e segurança dos brasileiros”.

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, estará nesta quinta (23) em Pacaraima para vistoriar a prestação de serviços emergenciais aos venezuelanos que estão atravessando a fronteira.

*Informações da repórter Luciana Verdolin