Pobreza atinge 35,4% da população nas cidades argentinas

  • Por Jovem Pan
  • 01/10/2019 07h21 - Atualizado em 01/10/2019 10h26
EFEO presidente Maurício Macri lamentou os dados divulgados e afirmou que a pobreza está inserida em um contexto de problemas estruturais

A pobreza urbana atingiu mais de 35% da população argentina durante o primeiro semestre deste ano. O número representa 3,4 pontos percentuais a mais do que o registrado no segundo semestre de 2018. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (30) pelo Instituto Nacional de Estatística e Censos argentino.

O índice de indigentes atingiu 7,7% da população, um ponto percentual a mais do que o registrado no segundo semestre do ano passado. A estatística indica que 2,4 milhões de famílias se encontravam abaixo da linha da pobreza até o fim de junho, o que representa 10 milhões de argentinos.

O presidente Maurício Macri lamentou os dados divulgados e afirmou que a pobreza está inserida em um contexto de problemas estruturais, por isso nenhum presidente vai acabar com ela sozinho.

O relatório sobre a pobreza é o sétimo divulgado desde que Macri chegou ao poder e é o terceiro consecutivo a indicar o aumento do índice.

A inflação, um dos indicadores que incide na medição da pobreza voltou a acelerar com força em agosto, chegando a mais de 54% – o que sinaliza para a possibilidade de um novo aumento no índice.

*Com informações do repórter Renan Porto