Polícia prende suspeitos de envolvimento em mortes de crianças no RS

  • Por Jovem Pan
  • 04/01/2018 06h36
Amanda Oliveira/ GOVBAConforme a Polícia Civil, um deles é líder de um templo satânico no Rio Grande do Sul. As prisões ocorreram em 27 de dezembro, mas só foram divulgadas nesta quarta-feira (imagem ilustrativa)

Três pessoas foram presas dentro da investigação sobre a morte de duas crianças que tiveram partes de seus corpos encontradas em Novo Hamburgo, no Vale dos Sinos, em setembro de 2017.

Conforme a Polícia Civil, um deles é líder de um templo satânico no Rio Grande do Sul. As prisões ocorreram em 27 de dezembro, mas só foram divulgadas nesta quarta-feira (03).

De acordo com o delegado regional, Rosalino Seara, havia pelo menos duas linhas de investigação, uma sobre tráfico de pessoas e outra sobre ritual macabro. Em relação a esta última, ele ressaltou que foram encontrados diversos indícios e a Polícia conseguiu confirmar a existência do templo satânico.

O caso começou a ser investigado quando foram encontrados dois corpos esquartejados em um matagal na cidade no início de setembro. Uma pessoa que passava pelo local desconfiou de sacos plásticos e caixas de papelão e chamou a Polícia. Mais tarde, as autoridades constataram que eram duas crianças, o que dificultou a identificação por falta de registros de digitais. Dias depois, no dia 18, mais partes de corpos foram encontrados, a cerca de 500 metros onde estavam as crianças esquartejadas.

As investigações permanecem sob sigilo. Após mandados judiciais, os suspeitos foram presos e, em depoimento à Polícia, o líder se disse mestre e bruxo. Além de rituais, ele fazia conferências sobre o assunto.

O homem mencionou ainda uma espécie de pacto com o diabo.

A apuração do caso continua para tentar encontrar a cabeça das vítimas. Apenas os troncos e membros foram localizados. Exames de DNA dão conta de que se tratam de um casal de irmãos.

O inquérito policial deste caso deve ser finalizado na próxima semana.

*Informações do repórter Sandro Sauer