Polícia de SP prende envolvidos em roubo a residência que foram expulsos a tiros por morador

  • Por Jovem Pan
  • 10/04/2020 06h31 - Atualizado em 10/04/2020 08h34
Divulgação/SSPA Polícia Civil continua a investigação para prender os outros dois criminosos que tentaram roubar a casa

A Polícia de São Paulo prendeu suspeitos que tentaram assaltar uma casa e foram expulsos a tiros por morador em São Paulo. O crime aconteceu em outubro de 2019, no bairro Sumaré, zona oeste da capital paulista.

Nesta quinta-feira (9), após mais de 5 meses de investigação, foram presos três dos cinco suspeitos da tentativa de assalto.

Na época, cinco criminosos encapuzados entraram de carro na garagem da residência. Os suspeitos adulteraram o controle do portão e estacionaram o veículo roubado dentro da propriedade.

O morador, que pediu para não ser identificado, estava na cozinha tomando café da manhã, quando percebeu a ação e acompanhou os passos dos bandidos pelas câmeras de segurança. Ao ver os criminosos entrando na casa, ele subiu para o primeiro andar, pediu que a empregada doméstica se escondesse em um dos quartos e pegou o revólver que pertencia ao pai dele.

Quando os bandidos começaram a subir a escada, foram recebidos a tiros e saíram correndo. As imagens mostram um deles tropeçando e caindo em cima de uma poltrona. Segundo a polícia, o suspeito Johne Marchelo Francisco deixou cair o RG e o celular. Ele foi preso temporariamente dias depois do crime.

Segundo a delegada Camila de Camargo, a partir do documento do assaltante e das investigações através do celular dele, a Polícia Civil chegou a outros dois suspeitos. Ítalo Soares Cunha e Tiago José Menezes também foram presos temporariamente.

De acordo com a Polícia, Johne Marchelo Francisco e Tiago José Menezes negaram envolvimento no crime; já Ítalo Soares confessou a participação na tentativa de assalto. Os três suspeitos tinham antecedentes criminais por roubo, furto, porte ilegal de arma e receptação. A Jovem Pan não conseguiu contato com a defesa dos acusados.

Segundo a delegada, embora não tivesse porte de arma, o morador da casa agiu em legítima defesa e o revólver estava legalizado.

A Polícia Civil continua a investigação para prender os outros dois criminosos que tentaram roubar a casa na zona Oeste de São Paulo.

*Com informações do repórter Leonardo Martins