Precisamos investir em geração de emprego e dar atenção às mudanças climáticas, diz Doria

  • Por Jovem Pan
  • 04/03/2020 09h36 - Atualizado em 04/03/2020 09h45
WERTHER SANTANA/ESTADÃO CONTEÚDOJoão Doria destacou que a prioridade do governo do Estado nesse momento é atender os desabrigados e prestar atendimento aos familiares de vítimas fatais

O governador do Estado de São Paulo, João Doria, prestou solidariedade às famílias das vítimas dos desastres após chuvas na Baixada Santista. Na manhã dessa segunda-feira (4) 19 óbitos foram confirmados e outras 29 pessoas ainda estão desaparecidas.

Em entrevista ao Jornal da Manhã, Doria destacou que o problema das moradias irregulares está diretamente associado a pobreza e ao desemprego. “Lamentavelmente isso atinge uma parte considerável do Sul e do Sudeste. Mas precisamos lembrar também que, em 2020, estamos tendo as chuvas mais fortes dos últimos 70 anos. Com isso, o número de vítimas é maior.”

João Doria destacou que a prioridade do governo do Estado nesse momento é atender os desabrigados, prestar atendimento aos familiares de vítimas fatais e encontrar os desaparecidos. “Também prestamos acolhimento e abrigo para quem precisar deixar suas casas. Depois, será concedido o aluguel social até que consigam a habitação popular em definitivo.”

Até o momento o número de desabrigados em toda a Baixada Santista soma 198 pessoas e 16 toneladas de ajuda humanitária (colchões, cobertores, cestas básicas, água sanitária e água potável) foram arrecadados. Os mantimentos estão sendo distribuídos mediante auxílio dos governos municipais.

Doria lembrou que, diariamente, cerca de 1500 pessoas chegam em São Paulo em busca de oportunidade e qualidade de vida, o que causa um déficit habitacional muito grande e dá espaço para a construção em encostas.

“Precisamos colocar as pessoas no mercado de trabalho, torcer para a economia crescer, gerar emprego e ampliar o Minha Casa Minha Vida com urgência e investimentos mais rigoroso. Mas também é preciso atenção com as mudanças climáticas e reconhecer que o aquecimento global tem provocado mudanças e tragédias.”