Prefeito de Salvador diz que paralisação de professores é política e promete cortar salário de grevistas

  • Por Jovem Pan
  • 13/07/2018 06h15
Valter Campanato/Agência BrasilAlém do reajuste salarial de 12,41%, os professores pedem aumento de 10% no auxílio-alimentação

O prefeito de Salvador, ACM Neto, prometeu cortar o ponto dos professores da rede municipal que se ausentarem no trabalho.

A greve na capital da Bahia começou na última quarta-feira (11) depois de ser aprovada em assembleia no sindicato.

ACM classificou a greve da categoria como política: “apenas 7% das escolas ficaram de portas fechadas. É movimento político, sem nenhuma razoabilidade, a Prefeitura colocou a proposta de 2,5% para servidores da educação. Em menos de um ano, nós tínhamos concedido 2,5% ano passado e agora mais 2,5%. Não tem nenhum motivo da greve existir. É greve política e assim será tratada pela Prefeitura. Professor que não for trabalhar terá salário cortado. Inclusive, determinei que a folha de julho só seja fechada no dia 20”.

Além do reajuste salarial de 12,41%, os professores pedem aumento de 10% no auxílio-alimentação, assim como eleição do diretor escolar e progressão de carreira.

A paralisação é por tempo indeterminado.

*Informações do repórter Daniel Lian