Prefeitura de Niterói premiará policiais que apreenderem armas de fogo em operações

  • Por Jovem Pan
  • 04/10/2018 09h54
Tânia Rêgo/Agência Brasil Tânia Rêgo/Agência Brasil A Prefeitura pagará entre R$ 1 mil (revólveres) e R$ 8 mil (caso de fuzis) por apreensão em ações onde não haja registro de morte ou lesão corporal grave

O prefeito de Niterói, no Rio de Janeiro, Rodrigo Neves, assinou nesta quarta-feira (03) uma lei que premia policiais pela apreensão de armas de fogo em operações no município.

A iniciativa faz parte do Pacto Niterói Contra a Violência e pagará entre R$ 1 mil (revólveres) e R$ 8 mil (caso de fuzis) por apreensão em ações onde não haja registro de morte ou lesão corporal grave – e desde que se tenha diminuição nos indicadores de segurança do município.

Proposta pelo Executivo, a lei já tinha sido aprovada na Câmara Municipal na última semana.

A lei será regulamentada nos próximos dias e entra em vigor a partir de novembro. A gratificação foi estendida também aos bombeiros por emenda parlamentar.

Os agentes de segurança que apreenderem revólveres e espingardas receberão recompensa de R$ 1 mil; apreensão de pistolas e granadas resultam em gratificação de R$ 3 mil, já a apreensão de fuzis e metralhadoras serão recompensadas com R$ 8 mil.

Mas, caso o índice de letalidade suba, a bonificação será suspensa. Em caso de denúncia de abuso do uso da força por parte dos policiais envolvidos na ocorrência, a premiação fica suspensa até o julgamento da acusação.

O prefeito da cidade também assinou lei que gratifica em dinheiro a enrega de armas de fogo à Polícia, feita de forma voluntária pela população. Serão pagos R$ 300 por revólver, R$ 400 por pistola, R$ 500 por armas exclusivas das Forças Armadas e R$ 1 mil por carabinas e espingardas.