Prefeitura negocia realocar mil famílias que vivem debaixo de viadutos em SP

  • Por Jovem Pan
  • 23/09/2019 08h54 - Atualizado em 23/09/2019 11h11
Danilo Mello/Estadão Conteúdo Danilo Mello/Estadão Conteúdo Além desse problema, o que preocupa a secretaria de Infraestrutura são as vistorias nas pontes e viadutos

O incêndio sob o Viaduto Grande São Paulo, na Vila Prudente, foi causado pela queima de lixo embaixo da via. Esse problema está ligado a um dos desafios da prefeitura de São Paulo: realocar as mais de mil famílias que atualmente moram debaixo das pontes e viadutos da cidade.

O secretario municipal de Infraestrutura Urbana e Obras, Vitor Aly, diz que isso pode levar um tempo, já que pra tirar as pessoas de lá, é preciso ter algum lugar para levá-los. “A Prefeitura está fazendo um trabalho junto com a secretaria de Habitação no sentido de tirar a população de debaixo dos viadutos. Não pode ser coercitivo, precisa ser negociado. Então leva um tempo.”

Além desse problema, o que preocupa a secretaria de Infraestrutura são as vistorias nas pontes e viadutos.

Vitor Aly garante que até o final do ano que vem serão feitas 185 vistorias na cidade. “A gente espera, essa semana ainda, finalizar a discussões com o Tribunal de Contas e ter liberado a licitação das vistorias para compor 73.”

Em 2018, quando um viaduto cedeu na Marginal Pinheiros, a Prefeitura de São Paulo gastou R$ 2,5 milhões dos R$ 45 milhões previstos para a manutenção e recuperação de pontes e viadutos de toda a capital paulista.

*Com informações do repórter Victor Moraes