Premiê francês promete criar 12,5 mil vagas de moradia para imigrantes e refugiados até 2019

  • Por Jovem Pan
  • 13/07/2017 08h17
ETILAU3148 CALAIS (FRANCIA) 27/10/2016.- Migrantes abandonan la zona mientras continúan los trabajos de desmantelamiento del campamento de inmigrantes conocido como la "jungla" de Calais, en Francia, hoy, 27 de octubre de 2016. Francia ha logrado evacuar en tres días y sin incidentes a los más de 6.000 ocupantes de la famosa "jungla" de Calais para trasladarlos a albergues repartidos por todo el territorio. Los últimos extranjeros de Calais partieron del campamento a primera hora de la tarde de ayer espantados por el fuego que se declaró en varios puntos del poblado y que poco a poco fue ganando buena parte de las chabolas que durante 18 meses han acogido a inmigrantes que buscaban pasar clandestinamente al Reino Unido. EFE/Etienne LaurentQuatro mil vagas em 2018 e 3,5 mil em 2019, que vão se somar as cinco mil criadas no mesmo período para os refugiados

O primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, apresentou um plano para conseguir lidar com o grande fluxo migratório no país. No total, o governo promete criar 12,5 mil novas vagas de moradia para os imigrantes.

Quatro mil vagas em 2018 e 3,5 mil em 2019, que vão se somar as cinco mil criadas no mesmo período para os refugiados.

O chefe do governo deixou claro que os imigrantes que não obtiveram o estatuto de refugiado serão expulsos e que não é possível receber a todos: “nós não estamos conseguindo ser eficazes na realização de alguns objetivos fixados como, por exemplo, a baixa taxa de reconduzir as fronteiras aqueles imigrantes que não obtiveram vaga de abrigo”.

Edouard Philipe reconheceu que a França não está à altura e precisa agir rápido para acelerar o processo de aceitação ou rejeição dos imigrantes.

O primeiro-ministro disse que o objetivo é reduzir significativamente o tempo de tramitação dos pedidos de asilo: “o nosso objetivo é diminuir consideravelmente o tempo das demandas de abrigo desde o momento que elas são registradas até o momento que elas são aprovadas ou rejeitadas”.

Em 2016, o prazo para finalizar um pedido de abrigo era de 14 meses e o objetivo é diminuir para seis meses.

Segundo dados oficiais, no ano passado, a França recebeu 85 mil pedidos de abrigo.

*Informações do repórter Victor Moraes