Presidente em exercício da Câmara faz degustação de queijos contra apreensão no Rock in Rio

  • Por Jovem Pan
  • 21/09/2017 06h36 - Atualizado em 21/09/2017 10h43
O deputado Fábio Ramalho, parlamentares mineiros, o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, e produtores de queijo de Minas participam de evento na Câmara

Os mineiros levaram à sério a apreensão de queijos em pontos de venda de comida no Rock in Rio. Acharam horrível a história de jogar queijo no lixo.

O presidente da Câmara em exercício, deputado Fábio Ramalho (PMDB-MG), promoveu uma degustação de queijos, doces e linguiças no gabinete da presidência da Casa e, depois, políticos e produtores foram ao Palácio, de queijos nas mãos, exigir a regulamentação de queijos tratados como crime, segundo alertam produtores, contra o ato da Vigilância Sanitária.

Se deliciando de lasca de queijo, Ramalho contestou a Vigilância e disse que não há perigo nenhum no principal produto mineiro. “Tivemos um problema no Rio de Janeiro. Eu nunca ouvi falar que esse queijo matasse alguém. Esse queijo não é para ser jogado no lixo, é para ser saboreado e consumido com muito amor”.

O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, foi à degustação e considerou que houve um mal-entendido no Rock in Rio, mas defendeu o queijo mineiro: “defender o queijo artesanal é defender a cultura brasileira. Gastronomia é cultura. Além da dimensão econômica e do turismo, há dimensão cultural evidente”.

A ideia de defender o queijo partiu da primeira-dama de MG, Carolina Pimentel, que pretende agora regulamentar a produção artesanal de alimentos e bebidas.

*Informações do repórter José Maria Trindade