Preso na Bolívia, Cesare Battisti chega à Itália nesta segunda

  • Por Jovem Pan
  • 14/01/2019 07h26 - Atualizado em 14/01/2019 07h26
Alisson Gontijo/Estadão ConteúdoBattisti foi condenado a prisão perpétua

O polêmico caso do italiano Cesare Battisti finalmente chega ao último capítulo. O ex-ativista deixou Bolívia neste domingo (13) em direção à Itália, onde vai cumprir pena de prisão perpétua.

O avião decolou do Aeroporto Internacional de Viru Viru, em Santa Cruz de La Sierra. A previsão é que chegue a Roma nesta segunda-feira (14), por volta da 13h30 da tarde, no horário italiano. O ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, está no avião e postou fotos de Battisti em suas redes sociais.

O ex-ativista foi preso neste sábado (12) em Santa Cruz de La Sierra, uma das principais cidades da Bolívia.  A barba crescida de Battisti não atrapalhou a identificação e captura dele por parte da um equipe especial da Interpol formada por policiais italianos, com a colaboração de policiais bolivianos.

Battisti foi condenado à prisão perpétua na Itália, em 1993, pelo assassinato de quatro pessoas: um guarda carcerário, um agente de polícia, um militante neofascista e um joalheiro de Milão. Os crimes aconteceram quando ele integrava o grupo Proletários Armados pelo Comunismo, na década de 70, os anos de chumbo na Itália.

No dia 13 de dezembro do ano passado, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux determinou a prisão de Battisti. A extradição do ex-ativista foi autorizada por Temer em seguida. Desde então, o italiano estava foragido.

Battisti passou 30 anos como fugitivo entre o México e a França e, em 2004, chegou ao Brasil, onde foi preso três anos depois. Em 2009, o STF autorizou a extradição em uma decisão que deixava a palavra final ao então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No último dia de seu segundo mandato, em 2010, Lula negou a extradição. Em setembro de 2017, o governo italiano pediu ao ex-presidente Michel Temer a revisão da decisão sobre Battisti.

A captura de Battisti foi comemorada por autoridades italianas. O ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, disse a prisão foi um presente aos italianos e agradeceu aos policiais envolvidos e ao governo brasileiro. O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, também fez agradecimentos ao Brasil e a Bolívia e disse que os italianos estão muito satisfeitos com o resultado

Líderes da esquerda italiana também comemoraram a prisão de Battisti. O ex-primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, também comemorou o ato. Ele escreveu no Twitter, “A prisão de Cesare Battisti na Bolívia é uma boa notícia. Todos os italianos, sem qualquer distinção política”.

Também em redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro parabenizou a todos os envolvidos na prisão de Battisti e disse que finalmente a justiça será feita ao assassino italiano e companheiro de ideais de um dos governos mais corruptos que já existiram no mundo, em referência ao Partido dos Trabalhadores.

Cesare Battisti se declara inocente e diz que foi vítima de perseguição política.