Problemas do HU e Hospital São Paulo estão “com certeza” na gestão, afirma ministro da Saúde

  • Por Jovem Pan
  • 29/11/2017 08h38
Tomaz Silva/Agência BrasilEm entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, Ricardo Barros disse que “com certeza absoluta” o problema de ambos os hospitais está na gestão e disse que o Governo federal ofereceu apoio neste ponto

Que o Hospital Universitário da USP e o Hospital São Paulo vivem a maior crise de suas histórias, isso não há o que negar, mas a que se deve o problema? Segundo o ministro da Saúde, é devido à gestão.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, Ricardo Barros disse que “com certeza absoluta” o problema de ambos os hospitais está na gestão e disse que o Governo federal ofereceu apoio neste ponto: “disponibilizamos consultoria de gestão de hospitais de excelência para hospitais filantrópicos, universitários. O Governo paga a consultoria para verificar se gestão está nas melhores boas práticas e isso permitiria economia grande de recursos se tivéssemos boa gestão”.

Segundo o ministro, há diferença de gestão em hospitais universitários pois eles têm muitos problemas com foco no ensino e não na assistência, além de excesso de pessoal. “Posso assegurar que o problema é gestão”, disse ao assegurar que há o repasse de investimentos e completar que “a situação e hoje é muito melhor do que era antes”.

“Melhoramos muito o financiamento, mas se não há gestão, não se resolve o problema”, afirmou.

Campanha Sexta-feira Sem Mosquito

O ministro convocou a população a todas as sextas-feiras, fazer sua parte no combate aos focos de mosquitos Aedes aegypti.

Barros pediu que empresas e escolas conscientizem alunos e funcionários a aderir à campanha.

“Mosquito pode causar males permanentes, microcefalia é um exemplo. Temos notificação ampla neste ano, notificação aumentou e confirmação de casos diminuiu. É o caso da febre amarela em que teremos mais notificações, mas esperamos ter menos confirmações que ano passado”, disse.

Segundo o ministro, a expansão do mosquito é devido a falta de saneamento, tratamento de lixo inadequado, aumento de ferros-velhos e cuidados dentro de casa. “Cada um precisa fazer a sua parte”, finalizou.

Confira a entrevista completa com o ministro da Saúde, Ricardo Barros: