Professor da rede estadual de SP terá até 73% de aumento e salário inicial de R$ 5 mil

Expectativa do governo é que a proposta seja aprovada pela projeto para a Assembleia Legislativa de São Paulo e já entre em vigor em janeiro de 2022; detalhes serão discutidos com a categoria

  • Por Jovem Pan
  • 15/12/2021 10h37
Foto: ANDRÉ LUIS FERREIRA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO Professor em sala de aula Nova avaliação prevê um sistema de pontuação por desempenho em sala de aula, com conteúdo diferente para cada etapa da carreira do professor

O governo de São Paulo anunciou aumento de até 73% no salário inicial de professores do Estado. Com a mudança, a base salarial, que atualmente é de R$ 2.886 pela jornada de 40 horas semanais, chegará a R$ 5 mil. O valor máximo, consequentemente, também vai aumentar de R$ 7.316 para R$ 13 mil. Além disso, o governo elaborou um novo plano de carreira, com mudanças na forma de avaliação dos docentes. O governador João Doria quer enviar o projeto para a Assembleia Legislativa de São Paulo no começo de 2022. “O projeto de modernização da carreira de docentes da rede estadual de educação terá investimento total de R$ 3,7 bilhões no Orçamento do governo do Estado de São Paulo”, disse.

A nova avaliação prevê um sistema de pontuação por desempenho em sala de aula, com conteúdo diferente para cada etapa da carreira do professor. Educadores em estágios mais avançados vão fazer uma tutoria para os profissionais em início de carreira. Quem fizer mestrado e doutorado vai receber um acréscimo de 3% a 5% no salário. O secretário da Educação, Rossieli Soares, garantiu que professores que ganham algum tipo de gratificação não serão prejudicados, já que cada profissional vai poder escolher se passa para o novo modelo.

“Quanto menos penduricalhos mais a gente consegue valorizar efetivamente no salário. Você tem um aumento de R$ 2.886  para R$ 5 mil no salário inicial, ao longo da vida essa pessoa vai ganhar muito mais do que se ela recebesse apenas uma determinava vantagem ao final da carreira”, disse. O detalhamento dos critérios de avaliação ainda vai ser elaborado com a participação da categoria. A expectativa do governo é que a proposta seja aprovada e já entre em vigor em janeiro de 2022.

*Com informações da repórter Nanny Cox