Pronunciamento de Bolsonaro sobre combate à Covid-19 está atrasado, diz FNP

Frente Nacional de Prefeitos critica discurso feito pelo presidente em cadeia nacional de rádio e televisão na terça-feira, 23: ‘Não expressa confiança’

  • Por Jovem Pan
  • 25/03/2021 05h33 - Atualizado em 25/03/2021 15h39
Mateus Bonomi/Agif/Estadão ConteúdoNa avaliação da FNP, o presidente deixou de falar sobre assuntos como lockdown, isolamento social e escassez de medicamentos e de oxigênio

A Frente Nacional de Prefeitos (FNP) classificou a declaração do presidente Jair Bolsonaro sobre ações de combate à pandemia como “atrasada”. Em nota divulgada nesta quarta-feira, 24, a instituição afirmou que o pronunciamento feito pelo chefe do Executivo em cadeia nacional de rádio e televisão na noite de terça-feira faria sentido há “seis ou oito meses”.  “Agora, se apresenta como um discurso vazio e não expressa confiança. Mas, de sua fala, com muitos pontos que distorcem os fatos e posições do governo federal durante a pandemia, o que mais se destaca são os silêncios”, diz o comunicado. Na avaliação da FNP, o presidente deixou de falar sobre assuntos como lockdown, isolamento social e escassez de medicamentos e de oxigênio.

O grupo de prefeitos também lembrou que Bolsonaro optou pela compra da cota mínima de vacinas do consórcio global Covax Facility, que corresponde a 10% da população. Havia a possibilidade de contar com imunizantes para pelo menos 40% dos brasileiros. As críticas ao presidente não pararam por aí. A FNP também afirmou no comunicado que o governo pratica o federalismo de conveniência. Isso porque Bolsonaro se reuniu nesta quarta-feira com os presidentes da Câmara e do Senado, governadores e ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), e não chamou os prefeitos. Para a Federação, a participação dos gestores municipais seria importante, já que eles os responsáveis pela aplicação das vacinas.

*Com informações da repórter Nicole Fusco