Prorrogação de campanha de vacinação contra febre amarela em SP será analisada, diz Uip

  • Por Jovem Pan
  • 15/03/2018 08h35
Divulgação/Arquivo Agência Assembleia"Vamos decidir ou pela suspensão ou decidir a voltar a disponibilizar de forma regular a vacina integral. Essa é a discussão entre hoje e amanhã”, disse o secretário

A campanha de vacinação contra a febre amarela, prevista para terminar nesta sexta-feira (16), pode ser prorrogada a depender de conversas da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo nesta quinta-feira (15). A recomendação da OMS é de que campanhas fiquem vigentes por 90 dias, mas a baixa procura pela vacina coloca em dúvida sua prorrogação.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, o secretário de Saúde, David Uip, afirmou que a decisão será tomada entre hoje e amanhã: “além de adesão baixa, ela também vem diminuindo. A decisão é complexa. Vamos decidir ou pela suspensão ou decidir a voltar a disponibilizar de forma regular a vacina integral. Essa é a discussão entre hoje e amanhã”.

O secretário fez questão de pontuar ainda que uma suspensão da campanha não significa indisponibilidade da vacina. “Na campanha você insere dia D, que movimenta mais as pessoas. Na campanha, o objetivo é mais divulgação e mais movimento. Mas o fato de encerrar campanha não quer dizer que não terá vacina”, assegurou.

Uip acrescentou ainda que não faltam vacinas contra a doença no Estado, nem seringas e insumos e elencou quatro situações que fizeram diminuir a adesão à campanha. A primeira é que a vacina fracionada é tão eficaz quanto a integral, o segundo ponto, é que a vacina possui efeitos adversos, mas os principais são pouco sintomáticos, o terceiro ponto é a campanha em redes sociais contra a vacina e o quarto motivo é a espera das pessoas pela vacina integral.

“Esse quarto fato ainda não temos previsão de estar disponibilizando para o Estado”, disse David Uip.

Reabertura do Zoológico

O Zoológico e Zoo Safari de São Paulo irão reabrir nesta quinta-feira (15) após passarem quase dois meses fechados por conta de um macaco encontrado e diagnosticado com febre amarela. Ambos estavam fechados desde o dia 23 de janeiro.

A informação foi confirmada pelo secretário de Saúde do Estado, David Uip, em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã.

Confira a entrevista completa com o secretário de Saúde, David Uip: