Putin defende China em disputa na área de tecnologia

A declaração foi dada nesta sexta-feira (7) durante um fórum econômico na cidade russa de São Petersburgo

  • Por Jovem Pan
  • 08/06/2019 11h42
Agência EFEO presidente da Rússia, Vladimir Putin, citou o exemplo da empresa de tecnologia chinesa Huawei, que é a maior fabricante de equipamentos de telecomunicações do mundo

Ao lado do presidente chinês Xi Jinping, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou que as táticas agressivas dos Estados Unidos levarão a guerras comerciais e, possivelmente, reais. A declaração foi dada nesta sexta-feira (7) durante um fórum econômico na cidade russa de São Petersburgo.

Putin citou o exemplo da empresa de tecnologia chinesa Huawei, que é a maior fabricante de equipamentos de telecomunicações do mundo. Para ele, os Estados Unidos estão tentando “sufocar” a companhia.

“Olhe para a situação em torno da Huawei e tentativas sem cerimônia para empurrá-la do mercado internacional. Em alguns círculos isso já é chamado a primeira guerra tecnológica da era digital”, disse o presidente russo.

Washington acusa a Huawei de ser um instrumento de atividades de espionagem de Pequim. O governo do republicano Donald Trump tenta, inclusive, que países aliados não comprem os produtos e proíbam a empresa de ser fornecedora de redes de telefonia e internet 5G.

No evento, o presidente chinês, Xi Jinping adotou um tom conciliador dizendo que a nação asiática pretende estabelecer uma “cooperação benéfica com base na igualdade e no respeito mútuo”. “A China está pronta para compartilhar invenções tecnológicas com todos os parceiros, em particular a tecnologia 5G”, afirmou.

Xi Jinping ainda declarou que é “duro imaginar um rompimento completo” entre Estados Unidos e China. Ele disse ser amigo de Donald Trump e que nem a China nem os parceiros norte-americanos estão interessados numa eventual ruptura.

No Brasil, o vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, comentou sobre a situação da Huawei no país. Segundo ele, o governo não tem planos de restringir as atividades da empresa e que enquanto houver “clima de confiança não tem problema nenhum”.

Mourão destacou a livre concorrência dizendo que o Brasil não tem o “interesse em restringir ninguém”. O vice-presidente ainda disse que a Huawei é uma das quatro empresas do mundo que dominam a tecnologia 5G.

*Com informações do repórter Afonso Marangoni