Quadrilha acusada de fraudar vendas de equipamentos do Hospital das Clínicas vai responder à Justiça

  • Por Jovem Pan
  • 24/07/2018 06h22 - Atualizado em 24/07/2018 06h58
Divulgação/SiteHCEsquema dentro do HC envolvia a aquisição fraudulenta de marcapasso cerebral e aparelhos para implante em pacientes com Parkinson

Médico e ex-diretor administrativo do Hospital das Clínicas de São Paulo viram réus por esquema de compra irregular de equipamentos. A denúncia do Ministério Público Federal que apontou prejuízo de cerca de R$ 4,8 milhões aos cofres públicos foi aceita pela 9 º Vara Federal Criminal do Estado.

O neurocirurgião Erich Talamoni Fonoff, o administrador Waldomiro Pazin, um empresário e uma enfermeira se tornaram réus em ação penal pelos crimes de fraude em licitação, corrupção e associação criminosa.

A denúncia veio à tona em 2016, quando a Polícia Federal deflagrou a Operação Dopamina. O esquema envolvia a aquisição fraudulenta de marcapasso cerebral e aparelhos para implante em pacientes com Parkinson. Os materiais eram adquiridos com valores superfaturados. Peças que, de forma regular, custariam cerca de R$ 24 mil chegavam a ser comercializadas por R$ 115 mil.

A procuradora da república Karen Kahn, autora da denúncia explica como eles agiam. “Era uma triangulação entre médico, servidores de dentro do HC e empresa, que acabava acertando um preço por fora para a venda judicializada dessas liminares, alimentando assim essa fila. O excedente desse faturamento era compartilhado entre os componentes desse esquema”, disse.

Os acusados negam terem sido beneficiados pelo esquema. O Hospital das Clínicas informou, por meio de nota que a instituição colabora com as investigações.

*Com informações do repórter Daniel Lian