Quarentena continuará até que haja vacina contra a Covid-19, afirma secretário da saúde de SP

Em entrevista à Jovem Pan, o dr. Jean Gorintcheyn explicou que políticas de distanciamento social e uso de máscaras serão mantidos

  • Por Jovem Pan
  • 15/08/2020 10h30
EFE/ Andre BorgesCoronavac, vacina da Sinovac, está na fase 3 de testes

O secretário da saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, em entrevista ao Jornal da Manhã deste sábado (15), afirmou que acredita que a quarentena se estenderá no estado até que haja uma vacina comprovadamente eficaz contra a Covid-19 liberada. “Nós temos que entender que só voltaremos ao normal quando tivermos vacina, antes disso estamos progredindo para um novo normal, que é a fase azul do Plano SP, estamos na fase 3 ainda, bem distante. Temos que avançar, de forma lenta, gradual e progressiva, para fazer as aberturas de forma segura, dando tranquilidade para as pessoas retomarem suas atividades, que são essenciais ao País. Mas temos que poupar a saúde de todos. Esse retorno faseado vai ter que acontecer, a quarentena, enquanto não tivermos a vacina, as políticas de distanciamento e máscaras deverão ter que acontecer, infelizmente.”

O infectologista traçou um panorama do que se vê hoje no estado: “Temos o Plano SP que dá essa questão das aberturas amparadas pelos dados, número de leitos, mortes e casos. Hoje temos 84% na fase amarela, foi a primeira semana que conseguimos isso. Tivemos a ocupação de leitos de UTI menor que 80%, média de 58%, [esses dados] fazem com que a flexibilização pudessem acontecer. Mas sempre com as manobras de vigilância. Todos esses protocolos foram feitos para que haja um prosseguimento disso.”

O estado de São Paulo aposta na Coronavac, vacina do laboratório chinês Sinovac que já está na fase 3 de testes. Jean Gorinchteyn ressaltou qual será o andamento, já que 12 centros estão testando 9 mil voluntários escolhidos a partir de mais de 1 milhão de inscritos. “É uma fase bastante adiantada, a fase 3, não houve efeitos colaterais de risco para quem a usasse. Hoje temos avaliação da segurança novamente e tem sido acompanhada de forma minuciosa pelo Instituto Butantan, além da supervisão internacional. Caso os protocolos mostrem efetividade da vacina, com produção de anticorpos contra o vírus por período prolongado, esses voluntários serão acompanhados por 3 meses e, caso seja comprovada, ela será liberada pela Anvisa para, regulamentada, possa ser distribuída. Essa distribuição deve começar em dezembro ou, no mais tardar, em janeiro. O que se desenha é que a política de vacinação seguirá a da gripe, com grupos prioritários, idosos, pacientes com comorbidades, populações indígena, serviços de saúde. Ela será objetivada para todo país, apesar de ser um acordo de SP. Se ela não der certo, torceremos para algum dar certo, seja de Oxford, ou qualquer outra.”

Enquanto isso, a estratégia de SP segue no programa amplo de testagem: “Vamos ampliar para 100 testes para cada 100 mil habitantes, isso para nós é muito importante. A testagem teve um incremento especialmente em julho, tivemos tanto na rede pública e privada, para que conseguíssemos chegar a 40 mil testes por dia, isso é fundamental, é o que mostra a realização de controles da pandemia, para detectar precocemente, impedindo pessoas de se contaminarem, isso diminui internações e número de mortes. Testar é importantes para impedir que aqueles que estejam diante de alguém infectados fiquem doentes, seja no ambiente social ou profissional, evitando a dispersão da pandemia.”