Rastros de DNA ajudam a prender quadrilha que roubou banco há quase dois anos

  • Por Jovem Pan
  • 21/12/2019 08h45
Wikimedia CommonsAs evidências deixadas nos locais de crimes ajudaram na elaboração de laudos periciais, que apontaram, inclusive, troca de tiros

A Polícia Federal prendeu duas pessoas e coletou DNA de 33 suspeitos de roubo a bancos no Paraná. Intitulada de Operação Tangram, a ação tem objetivo de render suspeitos nas cidades de Pitanga, Lapa, Ponta Grossa, Colombo e Palmeira.

Os mandados de prisão preventiva e temporária são cumpridos em Londrina. Já a coleta abrange, além da região paranaense, as cidades de Porto Velho, em Rondônia; e Mossoró, no Rio Grande do Norte.

As evidências deixadas nos locais de crimes ajudaram na elaboração de laudos periciais, que apontaram, inclusive, troca de tiros. As armas foram rastreadas e constatou-se que os números de série pertenciam a cinco locais diferentes.

Foi encontrado também um mapa que indicava o posicionamento dos participantes do roubo em na agência de Pitanga.

Os mandados se relacionam aos indivíduos que tem participação confirmada no crime. Eles vão ser indiciados por roubo qualificado, cuja pena pode chegar até 15 anos.

O inquérito policial foi instaurado no dia 19 de março de 2018, após ataques a três instituições bancárias na região.

*Com informações da repórter Beatriz Carapeto