Rebelião em presídio no interior paulista já dura mais de 16h; três defensores públicos são feitos reféns

  • Por Jovem Pan
  • 27/04/2018 07h08
Mariane Santos/TV FronteiraA penitenciária de Lucélia tem capacidade para 1.440 presos, mas abriga atualmente 1.820 internos

Já dura mais de 16 horas a rebelião na penitenciária de Lucélia, no Interior de São Paulo, em que três defensores públicos são mantidos como reféns. O motim começou na tarde desta quinta-feira (26), durante o banho de sol dos presos.

Segundo a Secretaria da Administração Penitenciária, cinco defensores públicos entraram por volta das 14 horas, nos pavilhões três e quatro da unidade. Vinte minutos depois, três deles foram rendidos. Os outros dois defensores e os demais funcionários da unidade deixaram a penitenciária tão logo a rebelião começou.

Os rebelados quebraram as portas que separam os galpões para liberar os presos dos outros pavilhões.

A Polícia Militar, o Corpo de Bombeiros e o Grupo de Intervenção Rápida, GIR, que é uma espécie de “tropa de elite” para atuação em situações críticas no sistema prisional paulista, também foram acionados.

O diretor da penitenciária e o coordenador das unidades prisionais da região estão negociando com os detentos.

Segundo a SAP, os defensores foram avisados de que, como era o horário do banho de sol dos presos, não seria seguro entrar, mas eles teriam insistido. Por norma, defensores públicos e juízes possuem acesso irrestrito às unidades e não podem ser barrados.

A penitenciária de Lucélia tem capacidade para 1.440 presos, mas abriga atualmente 1.820 internos.

*Informações do repórter Paulo Édson Fiore