Retomada das operações da mineradora Samarco não tem previsão, afirma Vale

  • Por Jovem Pan
  • 27/07/2018 10h00
José Cruz/Agência BrasilAtividades na Samarco foram suspensas após o rompimento de barragem de rejeitos de minério em Mariana, Minas Gerais, em 2015

A mineradora Vale anunciou, na última quinta-feira (26), que não existe previsão para a retomada das operações da Samarco. As atividades na mineradora foram suspensas após o rompimento de barragem de rejeitos de minério em Mariana, Minas Gerais, em 2015.

A Vale e a anglo-australiana BHP Billiton são as controladoras da empresa. A retomada das operações comerciais necessita de licenciamento dos órgãos ambientais.

De acordo com o presidente da Vale, Fabio Schvartsman, as controladoras estão estruturando um plano de negócios para definir como será a retomada da Samarco. A tragédia deixou 19 mortos e é considerada o maior desastre ambiental brasileiro.

Também nesta quinta-feira, a Vale anunciou que concluiu a expansão da Estrada de Ferro Carajás. A ferrovia tem 892 quilômetros de extensão e liga Carajás, a maior mina de minério a céu aberto do mundo, ao Porto de Ponta da Madeira em São Luis, no Maranhão.

O corredor terá a capacidade para transportar até 230 milhões de toneladas por ano. Em meio a finalização da ferrovia, a Vale terminou o segundo trimestre deste ano com lucro líquido de 306 milhões de reais.

O valor é menor do que o apurado no trimestre anterior, mas representa um ganho quatro vezes maior na comparação com o ano passado. Mesmo com a imposição de novas tarifas para o aço por parte do governo dos Estados Unidos, a diretoria da empresa não se mostrou preocupada com possíveis impactos.

De acordo com a mineradora, há um excesso de oferta de outros minérios mas, existe uma escassez global, principalmente por parte da China, do ferro de alta qualidade produzido pela Vale.

*Com informações do repórter Afonso Marangoni