Retorno do crescimento é inútil se não se refletir na arrecadação, diz ex-secretário do Planejamento

  • Por Jovem Pan
  • 02/09/2017 12h04 - Atualizado em 02/09/2017 12h16
"A economia está parada e a arrecadação segue essa paralisação", diz o economista

Em entrevista à jornalista Denise Campos de Toledo, o economista Raul Velloso, consultor econômico especialista em contas públicas e ex-secretário de Assuntos Econômicos do Ministério do Planejamento, disse entender que a retomada do crescimento econômico é irrelevante se o governo não conseguir fazer com que o Estado volte a arrecadar o suficiente para equilibrar as finanças públicas.

“Temos que esperar que a recuperação da economia se materialize ainda neste ano, porque aí sim a gente pode confiar que uma retomada do crescimento leve a uma retomada da expansão da arrecadação. Sem isso,a situação das contas públicas continuará claudicando, sem apoio do Congresso”, afirmou.

Colocando em um gráfico a evolução mensal das atividades econômicas e das receitas líquidas da União, Velloso disse que os dois gráficos praticamente coicidem. “Desde o início do ano passado, a atividade econômica está estagnada. É uma linha reta com pequenas oscilações”, explica. “Esperamos que nos meses restantes de 2017, o presidente, que é reconhecidamente uma pessoa com capacidade política, consiga aprovar as mudanças para recuperar a arrecadação.”

“Não nos esqueçamos que o investimento poderia estar melhorando se o governo não fosse tão pouco operativo na questão de investimento em infraestrutura e participação privada. É uma questão mais de má gestão do que só falta de confiança”, observou. “O pacote de privatizações anunciado olha para o futuro, mas o presente incerto ameaça tudo.”

Ouça a entrevista completa de Raul Velloso ao Jornal da Manhã da Jovem Pan: