Rio de Janeiro pode ter ‘boom’ da variante delta da Covid-19, alertam especialistas

Último levantamento do Ministério da Saúde apontava para mais de 100 casos em todo o Brasil, sendo 83 deles no Estado

  • Por Jovem Pan
  • 21/07/2021 09h35 - Atualizado em 21/07/2021 11h31
EFEEstado do Rio de Janeiro tem mais de um milhão de infectados nesta pandemia e já tem quase 58 mil mortos

O Rio de Janeiro pode enfrentar um boom da variante delta da Covid-19 nas próximas semanas. Segundo fontes da Jovem Pan, dada a alta transmissibilidade dessa cepa e o número de casos oficialmente já registrados, a expectativa é de que o Rio tenha um crescimento bastante significativo no número de registros da variante indiana na cidade e Estado. O último levantamento do Ministério da Saúde apontava para mais de 100 casos em todo o Brasil, com a maioria absoluta no Rio de Janeiro: 83 casos em 12 municípios, com destaque para a capital. Há registros da variante delta também na grande Rio, região metropolitana e em cidades interioranas.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, a variante delta já está presente em mais de 100 países. Em tese, seria uma variante menos letal e mais transmissível. O infectologista Charbell Kury acredita que o Rio de Janeiro esteja liderando o ranking nacional de casos da variante por conta das características ligadas a presença de estrangeiros e de muitos turistas. “A presença da indústria de petróleo maciço na região do Rio de Janeiro, onda há grande circulação de pessoas que vêm das plataforma da Índia e desembarcam na região. E a característica própria da variante delta que se dá através da sua grande transmissibilidade.” Já a pesquisadora da UFRJ Christina Barros destaca que, ao longo da pandemia, o Brasil testou muito pouco a população e também fez pouco mapeamento genético do vírus.

Diante deste fato e da maior transmissibilidade da cepa, fica mais difícil a adoção de politicas publicas que possam bloquear ou minimizar a circulação. “Não surpreende que, nas poucas amostras que temos, seja identificada a variante delta. Na verdade, indica que talvez ela esteja em frequência bastante maior. Nós não temos controle. Não é por falta de capacidade técnica, mas por falta de investimento em um programa coordenado de testagem do Ministério da Saúde.” O infectologista Edimilson Migowski está preocupado porque as primeiras informações dão conta de que a delta está infectando pessoas que já tinham tomado a vacina contra a Covid-19. “As pessoas que agravaram com essa cepa, a maioria era vacinada. O que causa preocupação, porque a vacina existente parece não proteger tanto assim da cepa delta e, dentre os vacinados, o quadro de maior gravidade.” O Estado do Rio de Janeiro tem mais de um milhão de infectados nesta pandemia e já tem quase 58 mil mortos.

*Com informação do repórter Rodrigo Viga