RJ: Suspeito de fraudes, Mário Peixoto quer ir para prisão domiciliar

  • Por Jovem Pan
  • 20/05/2020 07h05 - Atualizado em 20/05/2020 07h29
EFE/Antonio Lacerda Rio de JaneiroAtualmente, o empresário mantinha, com a atual gestão, pelo menos 16 contratos que montam algo em torno de R$ 130 milhões

O empresário Mario Peixoto, preso na semana passada pela Lava Jato por fraudes e irregularidades em contratos com a saúde do estado do Rio de Janeiro, quer cumprir prisão domiciliar. Os advogados dele estão requerendo à Justiça esse direito, alegando que Mário tem mais de 60 anos e problemas de saúde.

Em tempos de pandemia da Covid-19, com comorbidades como hipertensão, segundo os advogados, seria um risco para o empresário permanecer preso no sistema carcerário no Rio de Janeiro.

O Ministério Público já se posicionou contra o benefício, mas a decisão cabe à Justiça do Rio de Janeiro. Mário Peixoto é um dos maiores fornecedores de mão de obra para a secretaria de saúde estadual desde a época do ex-governador Sérgio Cabral Filho. Ele foi preso, junto com outras 14 pessoas, em duas operações da Lava Jato.

Atualmente, o empresário mantinha, com a atual gestão, pelo menos 16 contratos que montam algo em torno de R$ 130 milhões. Os contratos foram suspensos, segundo o governador do estado, Wilson Witzel, que determinou que a Procuradoria do Estado investiguem as supostas irregularidades apontados pelo Ministério Público Federal.

Houve, inclusive, supostas citações à Witzel nas investigações. O governador afirmou que vai prestar esclarecimentos ao Superior Tribunal de Justiça, onde a suposta denúncia foi encaminhada.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga