RJ: Presidente da Cedae não sabe quando água volta ao normal

  • Por Jovem Pan
  • 26/02/2020 06h39
AULO ANGELO/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOCedae admite que deverá dar descontos aos consumidores por conta da crise

A crise da água no Rio de Janeiro, que começou no início de 2020, já foi ‘superada’. A avaliação, no mínimo, polêmica, foi feita pelo presidente da Cedae, Renato Espírito Santo. Segundo ele, o pior “já passou” e a água fornecida pela companhia “com certeza é potável”, e não colocará em risco cariocas e fluminenses.

O problema com a água começou em janeiro, com a proliferação de uma alga conhecida como geosmina no sistema de abastecimento do Guandu, o mais importante do Rio. O Guandu abastece mais de 9 milhões de pessoas na capital e na região metropolitana. Espírito Santo acredita que o desgaste de imagem da Cedae também já foi superado.

Durante o Carnaval, os chamados “agueiros” da Cedae trabalharam normalmente, e distribuíram água no sambódromo. Alguns brincavam e enfrentavam certo preconceito, mas muitas pessoas optaram por consumir a água. Apesar de achar que a crise da água já está superada, Espírito Santo não soube estimar quando ela voltará ás suas características originais, pois em algumas torneiras, ela ainda sai com cheiro e gosto de terra.

“A crise está superada, o problema existe, ninguém está dizendo que não existe, mas nós temos hoje tranquilidade pra dizer que estamos acompanhando, dia a dia, hora a hora, minuto a minuto, para que isso não volte a acontecer. Não há como dizer quando voltará, até porque o tratamento que hoje é feito, ele tem acréscimo de coisas que não haviam, algumas operações com carvão, com argila, é muito difícil dizer que vai voltar a ter as características de antes, é muito difícil.”

O presidente da Cedae, na entrevista à Jovem Pan, admitiu a possibilidade de um acordo judicial com a Defensoria e o Ministério Público sobre a indenização a ser paga aos consumidores afetados. Os órgãos pedem um bloqueio de R$ 560 mi nas contas da Cedae. A companhia, por sua vez, oferece R$ 75 mi em descontos nas contas dos cariocas e fluminenses. A proposta feita pela defensoria à Justiça foi considerada uma “falácia” pelo presidente da Cedae.

* Com informações de Rodrigo Viga.