RJ reabre shoppings, bares, estádios e pontos turísticos; MP-RJ ameaça ir à Justiça

  • Por Jovem Pan
  • 06/06/2020 10h31 - Atualizado em 06/06/2020 10h40
DANIEL RESENDE/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOSegundo o boletim de sexta-feira (5) da Secretaria de Saúde, são 63.066 casos confirmados e 6.473 óbitos no estado

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, determinou a reabertura de shoppings, bares, restaurantes, igrejas, estádios e pontos turísticos em todo o estado a partir deste sábado (6). As medidas constam em decreto publicado em edição extra do Diário Oficial na noite de sexta-feira (5).

No entanto, antes mesmo da decisão, o Ministério Público e a Defensoria Pública do Rio de Janeiro ameaçaram ir à Justiça caso a reabertura fosse promovida. O MP-RJ afirmou que o estado não poderia retomar as atividades econômicas “sem fundamentos científicos que justifiquem a retomada”.

Com a decisão de Witzel, aulas nas redes públicas e privadas continuam suspensas até o dia 21 de junho. Lojas de shoppings, assim como a área de alimentação, podem funcionar das 12h às 20h, com limitação de 50% da capacidade. Áreas de recreação, cinemas e afins permanecerão sem funcionar.

Além disso, bares, restaurantes e pontos turísticos, como o Cristo Redentor e o Pão de Açúcar, também estão autorizados a abrir para o público, respeitando o limite de 50% de sua capacidade. As organizações religiosas podem funcionar desde que seja observada a distância de um metro entre as pessoas. Atividades ao ar livre em parques, praias e lagoas também estão permitidas.

“A medida determina o funcionamento de alguns setores do comércio e da indústria em horários específicos para evitar aglomerações. O decreto 47.112 também prorroga, até o dia 21 de junho, algumas medidas restritivas de prevenção e enfrentamento à propagação do novo coronavírus no Estado do Rio. Para a elaboração do decreto, o governo do estado levou em consideração os dados epidemiológicos da Secretaria de Estado de Saúde (SES), incluindo a redução do número diário de óbitos e das internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG).”

Em contrapartida à decisão do governador, a Universidade Federal do Rio de Janeiro e a Fundação Oswaldo Cruz atestam que o estado está vivendo o pico de contágio da Covid-19, indicando que o ideal seria manter as medidas de isolamento social.

O Rio de Janeiro é o segundo estado com maior número de mortes e casos confirmados da doença no país, atrás apenas de São Paulo. Segundo o boletim de sexta (5) da Secretaria de Saúde, são 63.066 casos confirmados e 6.473 óbitos, com outras 1.185 mortes em investigação.

*Com informações da Agência Brasil e do repórter Rodrigo Viga