São Paulo enfrenta mais um dia de chuva forte e alagamentos na capital

  • Por Jovem Pan
  • 31/03/2018 10h16 - Atualizado em 31/03/2018 10h18
MARCO AMBROSIO/ESTADÃO CONTEÚDOMuro desabou sobre veículos Rua Antonio Pacheco Valente, próximo da Avenida Roque Petroni Junior, em Santo Amaro

Pelo quarto dia seguido, a chuva forte em São Paulo volta a alagar várias vias da cidade e da região metropolitana. Em Itapecerica da Serra, um pedreiro ficou soterrado até a cintura após um deslizamento de terra. Quatro equipes do Corpo de Bombeiros conseguiram escavar o local e retirar o trabalhador com vida.

Outras duas pessoas também foram socorridas na região do Jabaquara após o desabamento da estrutura de um hipermercado na Rua Santa Catarina. Até um muro caiu em cima de pelo menos cinco carros na Rua Antônio Pacheco Valente, em Santo Amaro. O capitão Marcos Palumbo, porta-voz do Corpo de Bombeiros, disse que os chamados começaram a partir das três horas da tarde de sexta-feira. “Foram 13 ocorrências de salvamentos em pontos de alagamentos de pessoas que ficaram presas por conta da chuva. Também registramos a queda de 25 árvores em bairros como Guarapiranga, Cidade Dutra, Santo Amaro, Brooklyn, Moema e Saúde”, disse Palumbo.

O córrego Zavuvus, em Cidade Ademar, e o Ipiranga transbordaram e elevaram o estado de alerta nessas regiões. De acordo com o Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas, da capital paulista, pelo menos treze pontos de alagamento foram registrados. Houve registros de queda de granizo nas regiões do Brooklin e Campo Belo, pouco antes do fim da tarde.

Adilson Nazário, meteorologista do CGE, explica que a tendência é de que as fortes chuvas continuem até o fim de domingo. “Vamos ter esse quadro com temperaturas altas e chuvas no fim da tarde. No começo da semana vamos ter uma mudança com a chegada de uma frente fria, que vai trazer chuvas mais generalizadas. O mês de abril já vai começar com chuva”, afirmou.

A previsão para os próximos dias é de mais temporais, com sol pela manhã e pancadas de chuva à tarde. A principal recomendação é evitar locais com facilidade para deslizamentos e chamar a defesa civil em casos de risco.

*Com informações da repórter Marcella Lourenzetto