Sarampo assusta e São Paulo também amplia vacinação

Ao todo, no primeiro semestre deste ano, o Brasil registrou 142 casos da doença

  • Por Jovem Pan
  • 13/07/2019 11h41
Agência Brasil Do total de 142 casos confirmados da doença, 42,4% foram observadas em pessoas na faixa etária de 20 a 29 anos

O Brasil registrou 142 casos de sarampo no primeiro semestre do ano, com outros 354 ainda em investigação. São Paulo foi o estado que apresentou o maior número.

Foram 623 notificações de suspeita da doença, com 66 confirmações e 340 casos ainda em investigação. Do total, 42,4% das confirmações foram observadas em pessoas na faixa etária de 20 a 29 anos.

Segundo a diretora do Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, quando esse grupo de pessoas era jovem, a orientação era vacinar somente uma vez.

Regiane de Paula explicou que apenas uma dose não é suficiente para combater o avanço de sarampo. “Hoje o programa nacional de imunização preconiza duas doses: uma aos 12 meses de idade e outras aos 15 meses, que é a tetravalente, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Hoje é preciso que tenham duas doses”, disse a especialista. “Alguns estudos mostram que, dependendo da faixa etária, uma terceira dose pode ser necessária.”

A campanha de vacinação contra o sarampo foi prorrogada na capital paulista e região metropolitana. Na cidade de São Paulo, os postos terão doses até o dia 16 de agosto.

O público-alvo desta edição é justamente jovens de 15 e 29 anos, os mais vulneráveis às infecções. O objetivo é imunizar 900 mil jovens e adultos desta faixa etária e bloquear a circulação do vírus.

A vacina não dá reações e está disponível em diferentes postos de saúde do Brasil. A secretaria e o ministério da Saúde ressaltam a necessidade da imunização para evitar a circulação da doença, já que o vírus se multiplica com facilidade.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, o avanço da doença foi de 300% no último ano. Os principais sintomas do sarampo são febre, tosse persistente, irritação ocular, coriza, mal estar intenso e congestão nasal.

Depois do surgimento desse quadro, também há o aparecimento de manchas avermelhadas no rosto, que podem passar para os pés e para a palma das mão.

*Com informações da repórter Nanny Cox