Secretaria de Saúde de Porto Alegre (RS) emite alerta por ataques de escorpiões amarelos

  • Por Jovem Pan
  • 10/11/2017 06h21 - Atualizado em 10/11/2017 11h09
Divulgação/PMPAO documento emitido pela Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde chama a atenção para a existência do animal na cidade e os riscos que a picada pode provocar, destacando a necessidade de rápido atendimento, pelo risco de morte

A Secretaria da Saúde de Porto Alegre emitiu um alerta epidemiológico na tarde desta quinta-feira (09) sobre os cuidados e atenção aos atendimentos devido a acidentes com o escorpião amarelo.

O documento emitido pela Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde chama a atenção para a existência do animal na cidade e os riscos que a picada pode provocar, destacando a necessidade de rápido atendimento, pelo risco de morte.

Em outubro, uma criança de cinco anos, na zona sul de Porto Alegre, foi atendida no pronto-socorro após ser picada e a agilidade do atendimento foi essencial para o êxito do tratamento.

De acordo com o alerta epidemiológico, em casos de acidentes com o escorpião, a vítima deve ser encaminhada imediatamente para o Hospital de Pronto-Socorro. O atendimento deverá seguir classificação de risco vermelha e, se necessário, buscar orientação junto ao centro de informação toxicológica da Secretaria Estadual da Saúde do RS, por meio de ligação gratuita.

Enfatiza-se ainda a obrigatoriedade do preenchimento da ficha de notificação compulsória com ou sem o uso de soro antiescorpiônico.

O escorpião amarelo costuma habitar locais frescos e escuros em frestas de paredes, pedaços de madeira, restos de construção, entulhos, ralos, esgotos, caixas de gorduras, tanques, encanamentos, caixas com verduras, legumes e frutas, camas, sapatos, roupas, travesseiros e cortinas.

No caso de visualização do animal é importante evitar o contato e informar a localização através do telefone 156.

Vítima de ataques de escorpião sentem os efeitos do veneno de forma imediata, que provoca fortes dores no loca, tontura, suor, salivamento excessivo, náuseas, vômitos, além de insuficiência cardíaca e respiratória, com sério risco de morte.

Além de Porto Alegre, foram detectadas a presença do escorpião amarelo em outras regiões do Estado, como no litoral norte.

*Informações do repórter Sandro Sauer