Covidão: Secretária de Saúde presa pela Polícia Federal é solta no Amazonas

  • Por Jovem Pan
  • 06/07/2020 06h21 - Atualizado em 06/07/2020 08h32
José Lucena/Estadão ConteúdoA Polícia Federal aponta supostas fraudes e desvios na compra de 28 respiradores, com dispensa de licitação, fornecidos por uma loja de vinhos

A secretária de Saúde do Amazonas, Simone Papaiz, foi solta neste domingo (5) e está em liberdade, sem cumprir prisão domiciliar. Ela foi presa na última terça-feira, quando a Polícia Federal (PF) deflagrou a Operação Sangria, que também tem como alvo o governador Wilson Lima. A PF aponta supostas fraudes e desvios na compra de 28 respiradores, com dispensa de licitação, fornecidos por uma loja de vinhos. Os equipamentos, que deveriam ser destinados ao combate da pandemia, foram adquiridos por valor superior ao maior preço praticado no país, com diferença de 133%.

Ainda segundo a investigação, também houve direcionamento na contratação da empresa, lavagem de dinheiro e montagem de processos para encobrir os crimes praticados com a participação direta do governador. A PF cumpriu os mandados de busca e apreensão na sede do governo do estado, na casa de Wilson Lima e na secretaria de saúde.

Segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária, além de Simone Papaiz, outros dois presos na operação também foram liberados. No sábado, cinco pessoas já haviam sido liberadas. Entre elas, a empresária Renata Mansur, que foi presa em São Paulo e também vai responder a liberdade. Outros quatro suspeitos de envolvimento no caso tiveram a prisão temporária convertida em domiciliar.

Esta é a terceira operação da Polícia Federal relacionada ao coronavírus que tem como alvo um governador de estado. Antes de Wilson Lima, Helder Barbalho, do Pará, e Wilson Witzel, do Rio de Janeiro, também foram alvos.