Secretário dá detalhes sobre o fim da restrição de público e de horário para o comércio em SP

Flexibilização ocorrerá na terça-feira, 17; a partir de 1º de novembro, Estado permitirá volta do público aos estádios e shows com pessoas em pé

  • Por Jovem Pan
  • 15/08/2021 11h17 - Atualizado em 16/08/2021 15h22
LEANDRO FERREIRA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO - 24/11/2020 As escolas, que estavam abertas apenas para distribuição de alimentos para alunos necessitados e entregas de chips, voltarão a ter aulas presenciais no dia 14 de abril Estado poderá abrir locais com 100% da capacidade

O secretário do Desenvolvimento Regional de São Paulo, Marco Vinholi, conversou com o “Jornal da Manhã”, da Jovem Pan, neste domingo, 15, sobre a entrada do Estado em uma nova fase de flexibilização de serviços e atividades, a mais “aberta” desde o início da pandemia da Covid-19. Chamado de “Dia da Esperança”, o 16 de agosto deve marcar o momento no qual toda a população adulta da capital terá acessado a primeira dose da vacina, o que, de acordo com o secretário, tem melhorado todos os índices epidemiológicos do Estado. “Evidentemente vamos seguir, como fizemos ao longo de toda a pandemia, analisando os números com cautela e responsabilidade”, afirmou Vinholi. Ele afirmou que 711 mil pessoas receberam doses do imunizante neste sábado, início da “virada da vacina” que deve imunizar mais de 600 mil pessoas com entre 18 e 21 anos.

Com a flexibilização de serviços, os estabelecimentos poderão funcionar com 100% da capacidade sem restrição de horários. A partir do dia 1º de novembro, a volta do público aos estádios e a permissão da realização de shows com pessoas de pé serão permitidas. O secretário afirmou que a melhora nos indicadores foi o que impulsionou a reabertura gradual do Estado, mas disse que eles se baseiam na ciência e vão seguir ouvindo a orientação dos especialistas mesmo após o processo de abertura. Segundo ele, o Estado tem uma perspectiva de crescimento de 7,8% do PIB e resguardou a vida junto à economia com as medidas de isolamento. Vinholi também comentou sobre o processo movido pelo governo do Estado em busca de doses de vacinas que não teriam sido entregues pelo Ministério da Saúde. Para ele, este não é o momento para se ter qualquer tipo de problema com o governo federal, mas João Doria apenas defende a população. “São 228 mil doses que São Paulo tem por direito. A população de São Paulo tem essas doses por direito, é o que estamos buscando na Justiça neste momento. Esperamos que São Paulo possa ter essas vacinas o mais breve possível para seguir com essa imunização”, afirmou.

Confira o “Jornal da Manhã” deste domingo, 15, na íntegra: