Secretário diz que ataque em Suzano gerou impacto na rede de saúde: ‘Procura aumentou muito nos CAPs’

  • Por Jovem Pan
  • 19/03/2019 09h25
Marcello Zambrana/Estadão ConteúdoO secretário ressaltou que esse foi um gatilho e que é importante falar sobre o assunto e mostrar que a sociedade está com um sentimento de “virar o jogo” e tirar alguma coisa de bom após o fato

Quase uma semana depois do ataque que deixou 10 mortos, a Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, reabre nesta terça-feira (19) para alunos que desejarem participar de atividades com psicólogos e assistentes sociais. O objetivo é ajudar no retorno à rotina.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, o secretário municipal da Saúde de Suzano, Luis Cláudio Rocha Guillaumon, ressaltou que “dia de hoje é de acolhida” e que a intenção é estruturar o atendimento na escola e decidir, junto a pais e alunos, a estratégia para um retorno efetivo às aulas.

O secretário confirmou que a cidade sentiu os reflexos da tragédia que matou alunos e funcionárias do colégio. “Estive com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, falei com o secretário estadual da Saúde, José Henrique Germann Ferreira, sobre o impacto que gerou esse fato na escola na nossa rede de saúde mental. A procura aumentou muito nos CAPs (Centros de Atenção Psicossocial), não só pacientes ou pessoas envolvidas indiretamente, mas indiretamente todos foram afetados”, disse.

O secretário ressaltou que esse foi um gatilho e que é importante falar sobre o assunto e mostrar que a sociedade está com um sentimento de “virar o jogo” e tirar alguma coisa de bom após o fato.

“Junto com a sociedade, com as escolas, o Governo federal, estadual e municipal, mudar a página e conseguir uma sociedade melhor e com saúde mental melhor”, explicou.

Ainda não está definida uma data para que a escola volte a funcionar de forma integral para aulas. Segundo o secretário da Saúde, nada foi decidido oficialmente e as fases são independentes.

Confira a entrevista completa com o secretário municipal de Saúde de Suzano, Luis Cláudio Rocha Guillaumon: