Secretário elogia preparo da Polícia no Morumbi, mas admite: “não tenho orgulho da ação”

  • Por Jovem Pan
  • 04/09/2017 10h23 - Atualizado em 04/09/2017 10h24
Durante a entrevista, o secretário exaltou o poder de armas da Polícia, que agora está igual ao dos criminosos

A Polícia Civil frustrou na noite deste domingo (03) assalto a mansão na região do Morumbi, na zona oeste de São Paulo. Os agentes do Garra, braço do Deic, mataram dez criminosos durante troca de tiros. A quadrilha estava sendo monitorada pelas equipes da Segunda Delegacia de Crimes contra o Patrimônio. Os criminosos estavam armados de fuzis e trajavam coletes balísticos. A ação deixou 10 criminosos mortos.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, o secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo, Mágino Alves Barbosa, defendeu o preparo da polícia na questão de estar armada de modo semelhante ao poderio dos criminosos, mas admitiu não ter orgulho de uma operação como essa.

“Até pouco tempo não tínhamos autorização para termos o armamento que temos hoje. O controle do armamento quem faz é o Exército Brasileiro e fomos tendo esse tipo de autorização. Hoje contamos com o mesmo tipo de armamento [dos bandidos]. A segunda coisa é que a Polícia não saiu em busca do confronto, mas ela estava preparada para o confronto. As imagens que têm da viatura da polícia demonstram que os bandidos foram buscar o confronto. Não tenho nenhum orgulho de um tipo de ação dessas. O que eu constato hoje é que, felizmente, estamos preparados para esse tipo de confronto”, explicou.

Segundo o secretário, o DEIC estava monitorando a quadrilha há muito tempo e havia suspeita fundada de que eles poderiam agir neste domingo. Enquanto os agentes policiais foram no encalço, de acordo com Mágino Alves, “os bandidos optaram pelo confronto.

“DEIC fez um trabalho de investigação exemplar que culminou na ação de ontem e tenho certeza, não vou falar que eliminamos o roubo a residências nessa região, mas que é um baque muito sério na organização criminosa, eu não tenho a menor dúvida”, disse.

Durante a entrevista, o secretário exaltou o poder de armas da Polícia, que agora está igual ao dos criminosos. “Isso revela que o bandido tem que pensar duas, três, quatro, cinco vezes se vale a pena entrar em confronto com a Polícia, porque ela está preparada”.

Questionado sobre o motivo pelo qual a Polícia não antecedeu o ataque a residências, já que havia a suspeita de que ele ocorreria, Mágino Alves afirmou que não se tinha um lugar específico e sim a região onde o crime seria cometido.

Confira a entrevista completa: