‘Estamos no início do fim do Estado empresário’, diz secretário sobre privatizações

  • Por Jovem Pan
  • 22/08/2019 09h28
Reprodução/Ministério da EconomiaCom a possibilidade do anuncio da Telebras na lista, os números da ainda estatal dispararam 61% no mercado financeiro

Nesta quarta-feira (21), o Governo Federal anunciou um plano para privatizar nove empresas estatais, além de outras oito já estavam incluídas no programa. Em entrevista ao Jornal da Manhã, o secretário Especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Salim Mattar, explicou que os prazos não são problema.

“Mais importante do que quando vamos vender é o fato de que Estado vai parar de competir com a iniciativa privada. Estamos no início do fim do Estado empresário”, disse Mattar.

Com a possibilidade do anúncio da Telebras na lista, os números da ainda estatal dispararam 61% no mercado financeiro. “As ações subiram com a expectativa do anúncio porque este Governo, muito mais do que melhorar, quer transformar. Uma das maneiras de transformar é reduzindo o tamanho do Estado”, completa.

De acordo com o secretário, o governo Bolsonaro trouxe um novo Congresso e isso facilitará as privatizações. “Toda semana nos surpreendemos com um fato de corrupção nas estatais. As pessoas mudaram muito em relação ao que eram e a mudança começou nas urnas. A Lava Jato tocou o Congresso e o cidadão brasileiro.”

Demora

Os anúncios das privatizações, um dos maiores pontos da campanha eleitoral de Jair Bolsonaro, aconteceu oito meses após o início do mandato. Para Mattar, a “demora” se deu por conta da discussão da reforma da Previdência, a prioridade no Congresso Nacional.

“O Brasil é uma grande locomotiva atolada no brejo. Desatolá-la e colocá-la nos trilhos está sendo a reforma da Previdência. Decidimos esperar ela passar na Câmara para só depois iniciar o processo de privatização”, finaliza.