Secretário ressalta ‘sintonia’ com a USP e diz que reabertura do Museu do Ipiranga será em 2022

  • Por Jovem Pan
  • 17/01/2019 09h56
Antonio Cruz/Agência Brasil"Estamos muito sintonizados com a USP nisso. A USP está envolvida, comprometida com essa meta para viabilizar a reabertura do museu”, disse

Após o governador João Doria declarar que a administração do Museu do Ipiranga deveria sair das mãos da Universidade de São Paulo, o secretário da Cultura do Estado de São Paulo afirmou que a instituição de ensino tem sido “muito diligente a tocar o projeto” de obras.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, Sérgio Sá Leitão ressaltou que a USP já realizou o projeto básico para a retomada das obras do Museu e viabilizou três patrocínios para a realização do projeto executivo.

“Projeto está no cronograma e avançando. Já temos o projeto executivo, a primeira etapa aprovada na lei federal de incentivo à cultura, e o governador vai iniciar a campanha de arregimentação de patrocinadores para que possamos acelerar esse processo e tenhamos, em 2022, o museu aberto, reformado e com grande exposição dos 200 anos da Independência do Brasil”, disse.

O prazo para a reabertura do Museu do Ipiranga é longo, pois, segundo o secretário, a obra é grande e complexa. “Temos a questão do funding e do restauro, porque tem que ser feito com cuidado. Será uma grande conquista dos cidadãos paulistas e dos brasileiros. É compromisso do governador, meu, da Secretaria de Cultura, da USP, do reitor. Estamos muito sintonizados com a USP nisso. A USP está envolvida, comprometida com essa meta para viabilizar a reabertura do museu”, disse.

Para Sérgio Sá Leitão, a preferência foi por um calendário “prudente” e “realista”: “melhor que tenhamos surpresa positiva do que decepção em função da data dada de maneira açodada e sem planejamento”.

Contradizendo o que é defendido por Doria, o secretário afirmou que o momento não é de discussão sobre quem fica com a administração do Museu do Ipiranga. “Pode ser fator de retardamento do processo”, declarou.

Também em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã na primeira semana de janeiro, João Doria disse não querer “fazer acusações à USP”, mas que o objetivo é tirar das mãos da instituição a administração do museu.

“A USP vai bem na pesquisa, mas não tão bem na gestão e captação de recursos ao setor privado. Essa função não é especialidade dela. Podemos fazer isso melhor que a USP”, garantiu Doria.

O governador acrescentou ainda que há uma busca por alternativa que não deixe o Museu do Ipiranga sob a responsabilidade integral da universidade. “Pode ir para a Cultura do Estado, desde que tenha um organismo específico, do qual a USP participará”.

Confira a entrevista completa com o secretário da Cultura de SP, Sérgio Sá Leitão: