Sem controle, ‘cracolândias’ proliferam em SP e aumentam sensação de insegurança

Mesmo com policiamento, algumas pessoas que passam pela Av. Paulista ainda têm o sentimento de insegurança

  • Por Jovem Pan
  • 18/04/2019 07h24 - Atualizado em 18/04/2019 09h24
Alf Ribeiro - Estadão ConteúdoO fluxo, como é chamada a aglomeração de usuários, é flutuante e costuma mudar de lugar

Moradores, pedestres e motoristas relatam casos de furto e roubo nas principais vias de São Paulo.

O Everaldo Silva trabalhava no centro e contou que o excesso de usuários de drogas que praticam pequenos roubos preocupa bastante.

Mesmo com policiamento, algumas pessoas que passam pela Avenida Paulista e outras vias da região central ainda têm o sentimento de insegurança. Isso porque mesmo sem dados oficiais sobre o aumento no número de furtos e roubos, relatos de casos desse tipo são facilmente encontrados na região.

No túnel que dá acesso à Avenida Paulista e à Avenida Doutor Arnaldo, muitos moradores de rua erguem cabanas. Usuários de droga também podem ser vistos na região. É neste ponto, principalmente, que pedestres e motoristas relatam casos de assalto e agressão.

O mecânico automotivo Jeferson Araújo, por exemplo, conta que já viu casos como esse.

Desde maio de 2017, quando houve uma polêmica ação na região da Cracolândia, os usuários de crack e outras drogas se espalharam pela cidade. Muitos deles encontraram na Paulista um novo local.

O fluxo, como é chamada a aglomeração de usuários, é flutuante e costuma mudar de lugar. No entanto, alguns pontos da cidade seguem com o problema e a insegurança continua.

*Informações da repórter Marcella Lourenzetto