Sem licitação, ônibus de São Paulo operam com base em contratos emergenciais

  • Por Jovem Pan
  • 24/01/2019 06h51
ReproduçãoAtrasada há quase cinco anos, a concorrência do transporte municipal paulistano foi adiada mais uma vez

Sem licitação, os ônibus da cidade de São Paulo continuam operando com base em contratos emergenciais e com parâmetros antigos. Atrasada há quase cinco anos, a concorrência do transporte municipal paulistano foi adiada mais uma vez após decisão judicial contestando a disputa.

O mandado foi entregue aos representantes da Prefeitura seis minutos antes da abertura dos envelopes com as propostas na manhã desta quarta-feira (23).

O secretário municipal de justiça, Rubens Rizek Junior, estranhou a colocação de ações um dia antes da licitação.

A licitação prevê contratos de 20 anos a um custo total de R$ 71 bilhões.

O secretário municipal de mobilidade e transportes, Edson Caram, disse que quem perde com essa indefinição é o passageiro e que vai derrubar a liminar.

A licitação dos transportes na cidade de São Paulo vai mudar também a maneira como as linhas dos ônibus são organizadas. Hoje, o sistema é estruturado com linhas que vão do Centro para os bairros e outras que atendem os próprios bairros internamente.

A ideia prevista no edital é que exista um terceiro sistema, com ônibus façam viagens dos bairros menores para outros maiores, tidos como centros regionais.

*Informações do repórter Tiago Muniz